quarta-feira, 26 de julho de 2017

Definições

A Copa do Brasil teve, hoje, uma noite de definições. Foram conhecidos três dos quatro semifinalistas da competição. Um dos confrontos, portanto, já está definido. Será Flamengo x Botafogo. O Flamengo obteve sua classificação mesmo perdendo por 4 x 2 para o Santos, na Vila Belmiro, devido ao saldo qualificado, pois venceu o primeiro jogo por 2 x 0, na Ilha do Urubu. O Botafogo, que havia perdido para o Atlético Mineiro por 1 x 0, no Independência, goleou o mesmo adversário por 3 x 0, no Engenhão, e também se classificou. Outro semifinalista definido foi o Cruzeiro, que empatou em 1 x 1 com o Palmeiras, no Mineirão. O primeiro jogo, no Allianz Parque, teve o resultado de 3 x 3. O adversário do Cruzeiro deverá ser o Grêmio, que goleou o Atlético Paranaense por 4 x 0, na Arena, e ficou com ampla vantagem. O segundo jogo será amanhã, na Arena da Baixada. Caso o confronto entre Grêmio e Cruzeiro se confirme, será a repetição de uma das semifinais da Copa do Brasil de 2016. Levando-se em conta o futebol que vem sendo exibido pelos quatro clubes, a decisão de título mais provável parece ser Grêmio x Botafogo, mas, em disputas de jogos eliminatórios, tudo é possível.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Tranquilidade temporária

Um gol de alívio, no final do primeiro tempo, outro num bate e rebate que parecia ser interminável, até que a bola, finalmente, entrou. Foi dessa forma que o Inter venceu o Oeste por 2 x 0, hoje á noite, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. Mais do que nunca, o Inter precisava vencer, e conseguiu. O resultado colocou o Inter, momentaneamente, na zona de classificação para a Primeira Divisão, mas isso poderá ser alterado com os jogos do complemento da rodada, na sexta-feira e no sábado. Não importa. O Inter, com a vitória de hoje, garantiu uma tranquilidade temporária. Pelo menos por alguns dias, o ambiente ficará menos tenso. Afora isso, o próximo jogo do Inter será, novamente, em casa, e os novos reforços, Camilo e Leandro Damião, já poderão estrear. O Inter ainda precisa melhorar muito o seu rendimento na série B, mas, ao vencer o Oeste, já diminuiu a turbulência que tem sido a tônica do clube nos últimos dias.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Resultado frustrante

Uma boa atuação nem sempre resulta em vitória. O Grêmio jogou muito bem, hoje, contra o São Paulo, no Morumbi. Porém, o jogo terminou empatado em 1 x 1. Para o Grêmio, por tudo o que mostrou em campo, foi um resultado frustrante. Afora isso, como o Corinthians, líder do Campeonato Brasileiro, venceu o Fluminense, ontem, sua vantagem sobre o Grêmio, que é o segundo colocado, voltou a se ampliar, de seis para oito pontos. O Grêmio poderia ter marcado outros gols, mas esbarrou em grandes defesas do goleiro Renan Ribeiro. O São Paulo marcou seu gol na única oportunidade que teve. Esses pontos poderão fazer falta ao Grêmio, pois o adversário, embora de grande tradição, é o antepenúltimo colocado do Brasileirão. No entanto, não se pode deixar de reconhecer que, mesmo sem vencer, o Grêmio mostrou muito bom futebol, e isso dá confiança para continuar buscando os títulos das competições que está disputando.

domingo, 23 de julho de 2017

Waldir Peres

Waldir Peres, o goleiro da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982, que faleceu hoje, aos 66 anos, é uma dessas pessoas que são vítimas de apreciações históricas equivocadas. Waldir Peres foi titular da Seleção na Copa de 82, mas também esteve presente nas edições de 74 e 78 como reserva. Nenhum jogador é convocado para três Copas do Mundo consecutivas se não for muito qualificado, e Waldir Peres era. Ocorre que, em 82, o melhor goleiro do Brasil era, sem dúvida, Leão, então no Grêmio, que não foi convocado pelo técnico da Seleção, Telê Santana, contrariando o desejo da maioria da opinião pública. Afora isso, Waldir Peres tomou um "frango" pelo meio das pernas na estreia na Copa, contra a extinta União Soviética. Foi o que bastou para que ele fosse qualificado como uma peça destoante em meio a grandes nomes como Zico, Toninho Cerezzo, Júnior, Falcão, Leandro, entre outros. Esse é um conceito falso. Waldir Peres não era um "frangueiro". Pelo contrário, era um grande goleiro, que fez mais de 600 jogos com a camisa do São Paulo. Como ele mesmo lembrou, certa vez, em uma entrevista, a derrota para a Itália, no Sarrià, foi a sua única em 39 jogos pela Seleção. Para quem, como eu, teve a oportunidade de acompanhar a sua carreira, fica o reconhecimento a um grande goleiro, que teve uma bela carreira, e um comportamento profissional exemplar. Waldir Peres fez a sua parte como jogador. Se não era o melhor da posição no país em 82, tampouco deixava de ser um goleiro em nível de Seleção. Waldir Peres se vai deixando uma trajetória exitosa, sem nada a dever.

sábado, 22 de julho de 2017

Sempre pode ser pior

Para o Inter, atualmente, nada parece ser ruim o suficiente. Sempre pode ser pior. A atuação do Inter, na derrota de 2 x 1 para o Vila Nova, hoje á tarde, no Serra Dourada, foi abaixo da crítica. O Inter é um imenso nada. Não se vê nenhum brilho individual, nem trabalho coletivo. Em vez de evoluir, o time parece regredir a cada jogo. Não bastasse isso, no aspecto anímico, também não se percebe a devida mobilização. Para sorte do Inter, o nível técnico baixo do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão faz com que os clubes permaneçam com pouca distância de pontos uns dos outros. Dessa forma, mesmo com vários tropeços, o Inter mantém pouca distância dos primeiros colocados. No entanto, a situação do Inter é lastimável. Em 16 rodadas da Série B, o Inter só esteve na zona de classificação para a Primeira Divisão em quatro delas. A diretoria garante que o técnico Guto Ferreira continuará no cargo, o que é um erro. Guto não deu nenhuma contribuição perceptível para o time. Sua demissão está sendo, inexplicavelmente, adiada. A troca de técnico, por si só, não resolverá os problemas do Inter, mas algo precisa ser feito. Se seguir com o desempenho atual, o Inter corre o sério risco de não subir para a Série A, o que seria vexatório.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

A punhalada dos golpistas

O Brasil vive dias terríveis, como consequência direta de um golpe contra uma presidente legitimamente eleita. O sórdido expediente contou, como costuma ocorrer nesses casos, com o patrocínio da plutocracia e o apoio entusiasmado da classe média reacionária. Para esses dois segmentos, era preciso, a qualquer preço, retirar o PT do poder. Afinal, argumentavam, o PT era a fonte de todos os males do país. Como se sabe, plutocratas detestam aumento de impostos, o mesmo acontecendo com a classe média direitista. Pois não é que foi justamente essa surrada e desastrosa solução que o governo do presidente golpista e ilegítimo Michel Temer adotou para tentar cumprir a meta fiscal de 2017? Com o aumento da alíquota de PIS/Cofins dos combustíveis, divulgado ontem, Temer e seus asseclas pretendem arrecadar R$ 11 bilhões. A razão para isso é que a arrecadação neste ano tem ficado abaixo da esperada pelos golpistas, que previam que a economia brasileira cresceria em um ritmo mais acelerado, o que não ocorreu. O efeito da medida no bolso da população foi imediato, pois o preço do litro da gasolina já superou o valor de R$ 4, o que levará a um efeito cascata de aumentos sobre vários produtos. A punhalada dos golpistas atinge em cheio o discurso dos seus apoiadores. Os empresários do pato amarelo e a classe média que bate panelas vociferam, permanentemente, contra aumento de impostos. Pois foram "brindados" com um pelos bandoleiros que ajudaram a colocar no poder. A traição dos golpistas aos seus defensores seria até cômica, se não fosse trágica para o país como um todo. A amarga conta do golpe continua a ser cobrada de todos os brasileiros, e ainda está longe de chegar ao fim.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

A queda de Roger Machado

O futebol brasileiro viu, nos últimos anos, o surgimento de técnicos emergentes, num processo natural e necessário diante da decadência dos medalhões. O problema é que os novos técnicos ainda não mostraram solidez em seus trabalhos. A queda de Roger Machado no Atlético Mineiro é um exemplo disso. Roger foi, dentre esses técnicos, o mais bafejado pela imprensa, pelo período em que treinou o Grêmio. Ocorre que o desempenho de Roger no Grêmio não foi mais do que razoável, e acabou superestimado por uma parte da imprensa. Observando com atenção o seu trabalho no Grêmio, percebia-se um grande potencial, mas um profissional ainda carente de maturação. No Atlético Mineiro, Roger comprovou essa impressão. Ele é estudioso, tem ótima base teórica aliada á sua experiência como jogador. Sua proposta de jogo se baseia num futebol envolvente, com muita troca de passes. Porém, Roger não tem variações em sua proposta tática, e tem visíveis dificuldades para fazer a "leitura do jogo" durante o seu transcorrer. Roger tem condições de se tornar um grande técnico, mas, a exemplo dos outros emergentes, ainda não alcançou uma afirmação.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Paulo Sant'Ana

O Rio Grande do Sul perdeu, na noite de hoje, o maior nome do seu jornalismo, em todos os tempos. A morte de Paulo Sant'Ana, aos 78 anos, não colheu ninguém de surpresa, pois era sabido que o seu estado de saúde era muito delicado. Porém, isso não diminui o impacto da perda. Muito antes que o termo fosse cunhado, Sant'Ana foi um jornalista multimídia. Atuou com igual brilho no rádio, jornal e televisão. Nenhum outro jornalista, em tempo algum, foi tão popular no Rio Grande do Sul. No início de sua carreira, se dedicou á crônica esportiva, e alcançou enorme sucesso como um defensor apaixonado do Grêmio. Mais tarde, tornou-se um cronista de assuntos gerais, novamente com êxito retumbante. Sant'Ana será velado na Arena do Grêmio. Não poderia ser de outra forma. Amanhã será um dia para Porto Alegre reverenciar um dos seus nomes mais representativos. A cidade ficou mais pobre na sua paisagem humana. O jornalismo perdeu um gênio. Uma notável trajetória, que deixa uma enorme saudade.

No rumo da liderança

Em apenas duas rodadas do Campeonato Brasileiro, o Corinthians, líder da competição, viu sua diferença para o segundo colocado, o Grêmio, ser reduzida de dez para seis pontos. Após empatar, por 2 x 2, sábado, com o Atlético Paranaense, em pleno Itaquerão, o Corinthians voltou a tropeçar, hoje, ao não sair do 0 x 0 com o Avaí, na Ressacada. O Grêmio tirou proveito da situação, pois venceu seus dois últimos jogos. No domingo, derrotou a Ponte Preta, de virada, por 3 x 1, na Arena. Hoje, repetiu o placar contra o Vitória, no Barradão. O número de vitórias do Grêmio chegou a dez, apenas uma a menos que o Corinthians. Com isso, o Grêmio vai no rumo da liderança do Brasileirão, que já esteve muito perto, e depois se distanciou. Sua vantagem sobre o terceiro colocado, o Santos, se manteve, e aumentou em relação aos demais clubes da parte de cima da classificação. No jogo contra o Vitória, o grande destaque foi Fernandinho, que marcou o primeiro gol, de falta, e criou a jogada do segundo. Embora com a ausência de três titulares, Geromel, Michel e Luan, o Grêmio venceu ao natural. Mesmo levando um gol no início do segundo tempo, quando já ganhava por 2 x 0, o Grêmio não permitiu uma reação do Vitória, pois marcou o terceiro, logo depois. O que parecia um campeonato com um ganhador antecipado, voltou a ser uma disputa em aberto.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Apito amigo

Se há um fato recorrente na história do Inter é o auxilio do apito amigo. Mesmo quando montou grandes times, como o da década de 70, com nomes como Manga, Figueroa, Falcão e Paulo César Carpeggiani, o Inter não abriu mão dos "erros humanos" dos árbitros. Ninguém melhor do que o torcedor do Grêmio sabe o que foram, na época, as arbitragens do chamado "trio ABC", formado por Agomar Martins, José Luiz Barreto e José Cavalheiro de Morais, que decidiram vários jogos em favor do Inter com seus "erros". Anos mais tarde, Carlos Simon foi um dos principais sucessores do trio em benefícios do apito para o Inter. Hoje, em mais uma atuação deplorável, o Inter venceu o modesto Luverdense por 1 x 0, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, com um gol nos acréscimos, fruto de uma sinalização confusa de um bandeirinha. Não vem ao caso saber se o bandeirinha estava certo ou errado ao marcar impedimento no lance. O fato é que, ao levantar a bandeira, ele induziu a defesa do Luverdense a parar no lance, o que facilitou para William Potker marcar o gol. Dizer que o árbitro nada havia apitado, e que, portanto, os jogadores do Luverdense deveriam prosseguir normalmente no lance, é um argumento cínico. O Luverdense sofreu um esbulho. A arbitragem brasileira continua vergonhosa, como sempre. Porém, nem mesmo com a ação prestimosa da arbitragem o Inter conseguiu entrar na zona de classificação para a Primeira Divisão. Está em quinto lugar e, se continuar jogando um futebol tão fraco, não haverá arbitragem facciosa capaz de fazer com que venha a subir.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Exploração demagógica

O assunto da injúria racial ao goleiro Aranha, acontecida num jogo entre Grêmio e Santos, na Arena, pela Copa do Brasil de 2014, está se prestando a uma exploração demagógica. Como Aranha voltou a jogar na Arena, ontem, dessa vez pela Ponte Preta, o fato foi reativado, o que não deveria ter ocorrido. Está claro que Aranha não quer deixar o assunto morrer, e a cada vez que vem jogar contra o Grêmio, na Arena, aproveita para se colocar na condição de vítima de uma perseguição de cunho racista. Parte da imprensa, ávida por fatos que possam proporcionar manchetes, embarca na proposta de Aranha, e gera repercussão em cima de uma situação que já deveria ter sido superada. O "desabafo" de Aranha, após o jogo de ontem, dizendo que não olha para as arquibancadas porque as pessoas ali presentes estão carregadas de ódio, e sua generalização de que "no sul do país é assim", foi uma ode ao vitimismo. O fato de 2014 foi julgado e produziu uma condenação, injusta, por sinal, ao Grêmio. O clube assimilou a injustiça sofrida, e seguiu com sua vida. Aranha deveria fazer o mesmo, e não reacender as discussões em torno do ocorrido há três anos.

domingo, 16 de julho de 2017

Diferença diminuída

Depois da vitória sobre o Flamengo, o técnico do Grêmio, Renato, disse que o Corinthians não conseguiria manter sua campanha de quase 90% de aproveitamento, e que iria "despencar". Hoje, Renato retificou sua declaração, trocando despencar por "tropeçar". Seja como for, Renato acertou sua previsão. Ontem, o Corinthians empatou em 2 x 2 com o Atlético Paranaense, em pleno Itaquerão. O Grêmio, hoje, venceu, de virada, a Ponte Preta  por 3 x 1, na Arena. Com isso, a vantagem do Corinthians na liderança do Campeonato Brasileiro se reduziu. A diferença diminuída, mesmo que permaneça expressiva, dá um novo alento á competição. Agora, a diferença, que era de dez pontos, em relação ao Grêmio, foi para oito. Outro ponto positivo para o Grêmio foi que Santos e Flamengo também empataram na rodada, ficando mais afastados dele em pontos. A situação do Grêmio poderia ser bem melhor, é claro, se ele não tivesse escalado reservas contra Sport e Palmeiras, e ganhado seus jogos em casa contra Corinthians e Avaí, mas a redução da vantagem do líder da competição traz um novo entusiasmo para o clube e sua torcida. Em relação ao jogo, em si, o Grêmio não teve uma grande atuação, e saiu perdendo para a Ponte Preta, assustando o seu torcedor. No entanto, teve força e atitude para obter a virada. Lucas Barrios, com dois gols, um dos quais de pênalti, pondo fim ao trauma das cobranças erradas, foi o grande destaque do jogo. O Grêmio sairá agora para dois jogos seguidos fora de casa, contra Vitória e São Paulo, clubes que se encontram na zona de rebaixamento. Se tem, verdadeiramente, pretensões dentro da disputa, o Grêmio não pode desperdiçar pontos nesses jogos.

sábado, 15 de julho de 2017

Um filme de terror

Após a vitória sobre o Ceará, fora de casa, o Inter, no entender de boa parte da crônica esportiva, tinha encontrado o seu time, e sua tendência seria crescer ainda mais. Como seu próximo jogo aconteceria, novamente, na condição de visitante, em que obtivera quatro de suas vitórias no Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, o otimismo se fez sentir nos prognósticos. O Inter, previa-se, entraria no grupo dos quatro primeiros colocados, e dele não mais sairia. Nada ocorreu de acordo com o esperado. Os torcedores do Inter que assistiram ao jogo de hoje contra o CRB, no Rei Pelé, viram um filme de terror. O Inter perdeu o jogo por 2 x 0, não teve uma única chance de gol, e chegou a ouvir gritos de "olé" da torcida adversária. O resultado fez o Inter cair para o sétimo lugar na classificação. Pior que isso, das catorze rodadas da Série B disputadas até agora, o Inter só figurou na zona de classificação para a Primeira Divisão em quatro delas. A atuação do Inter foi constrangedora. Contra um adversário muito limitado, o Inter não teve nenhuma harmonia coletiva, nem destaques individuais. Em momento algum do jogo o Inter mostrou obstinação em busca do resultado positivo. Se as atuações contra Criciúma e Ceará davam indícios de um crescimento técnico do Inter, a de hoje foi de deixar o torcedor desalentado. O que parecia impossível, o Inter não subir para a Primeira Divisão, já é algo para ser, no mínimo, cogitado.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Cenário aterrador

Diante de um presente tão pavoroso, o que se pode projetar para o futuro do Brasil? Nada de bom, por certo. Um cenário aterrador é o que está se desenhando. As eleições  de 2018 poderão dar a cadeira de presidente para nomes como Jair Bolsonaro e João Dória Júnior. Bolsonaro seduz incautos com a defesa da truculência e da repressão como formas de colocar o país "em ordem". Dória, numa época de repúdio aos políticos, apresenta-se como alguém que não pertence ao meio e que, portanto, não tem os seus vícios, o que é uma fraude, mas que é tida como verdade por desavisados. A esquerda precisa construir uma candidatura que lhe dê viabilidade eleitoral, se o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva não puder concorrer. O tempo até lá é curto, e por isso mesmo, há que agir rápido para não permitir que o projeto de demofobia da direita seja legitimado pelas urnas. A esquerda precisa de um plano B, para salvar não só a si mesma, mas ao próprio país. Se o futuro se apresenta tão ameaçador, é necessário, pelo menos, sustentar a esperança de que ele possa ser melhor. Essa tarefa, urgente e intransferível, é da esquerda brasileira.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Reabilitação

A derrota para o Avaí, em plena Arena, havia sido a terceira consecutiva no Campeonato Brasileiro, o que obrigava o Grêmio a buscar uma reabilitação na competição. Pois ela veio, de maneira grandiosa, com a vitória de 1 x 0 sobre o Flamengo, hoje, na Ilha do Urubu. O Grêmio fez seu gol ainda no primeiro tempo, marcado por Luan, e soube sustentar o resultado até o final, sob intensa pressão do Flamengo. A postura adotada pelo Grêmio após o gol foi arriscada, pois, no segundo tempo, se limitou, praticamente, a se defender para tentar manter o resultado. Ainda assim, Luan perdeu a chance de ampliar o placar, num rápido contra-ataque. A surpresa positiva do jogo foi o goleiro Léo, que fez duas grandes defesas, uma em cada tempo do jogo. Léo cometeu, também, um descuido incrível, que quase redundou no gol de empate do Flamengo, mas isso deve ser creditado á sua inexperiência, e não deslustra o seu bom desempenho. Com a vitória, o Grêmio retomou o segundo lugar isolado do Brasileirão. O Corinthians segue distanciado na liderança, com dez pontos e três vitórias a mais, mas o Grêmio voltou a ser o seu perseguidor mais direto. O Grêmio retornou ao caminho das vitórias, e segue com chances de título nas quatro competições que disputa.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Um factóide de Moro

A condenação do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva a nove anos e meio de prisão, determinada, hoje, pelo juiz Sérgio Moro, não vai dar vem nada. Ela é, apenas, um factóide de Moro, que precisa mostrar trabalho para a Rede Globo e seus fãs coxinhas. A própria sentença de Moro deixa isso claro, ao não ordenar a prisão imediata de Lula, permitindo-lhe aguardar em liberdade o resultado da apelação. Em todo o seu tempo de perseguição ao ex-presidente, Moro jamais encontrou provas que possam resultar na sua condenação. A atitude que Moro tomou hoje tem o único condão de manter intacto o seu prestígio junto aos fãs. Moro sabe que sua sentença será reformada em outra instância, provavelmente pelo mesmo TRF4 que inocentou o ex-tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, das acusações que sofreu. A diferença é que Vaccari chegou a ser preso. Lula não o será. Assim, quando tudo chegar ao final, e Lula for absolvido, Moro irá posar de herói, pois terá "feito a sua parte", e seus fãs colocarão a culpa do desfecho contrário às suas pretensões no Poder Judiciário. Moro poderá, então, até articular uma carreira política, posando de paladino da ética. Os inimigos de Lula não devem desperdiçar os seus foguetes. Seus apoiadores não tem razão para se preocupar. Simples assim.

Crime consumado

A reforma trabalhista foi aprovada no Senado. Um crime consumado. Conquistas históricas dos trabalhadores foram destruídas. As relações de trabalho voltaram para um estágio medieval e escravocrata. Os sonhos há muito tempo acalentados pela plutocracia brasileira se tornaram realidade. No Brasil atual, nada é tão ruim que não possa piorar. Cada dia apresenta fatos piores que o do dia anterior. O país mergulha, aceleradamente, num poço sem fundo. Não há perspectivas de melhora. O quadro que se apresenta diante dos brasileiros não se resolverá pelas vias normais. Cabe à população abandonar sua letargia e tomar as rédeas da ação politica. Só o rugido das ruas pode salvar o Brasil.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Vitória tranquila

Foi um jogo muito mais fácil do que se poderia supor. O Inter obteve uma vitória tranquila de 2 x 0 sobre o Ceará, hoje á noite, no Castelão, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. O Inter marcou os dois gols logo no início do jogo, e até poderia ter ampliado o placar. O Ceará mostrou-se um time muito fraco tecnicamente, que em momento algum demonstrou ter capacidade para poder alcançar uma reação. Mesmo quando tentava pressionar de maneira mais intensa, o Ceará esbarrava na falta de qualidade, o que fez com que a defesa do Inter neutralizasse suas investidas. O resultado fez com que o Inter superasse um adversário direto na tabela, pois os dois clubes estavam empatados em pontos. O Inter, no entanto, não conseguiu ingressar no grupo dos quatro primeiros colocados. No sábado, o Inter jogará, novamente, fora de casa. Seu adversário será o CRB, que está uma posição abaixo da sua na classificação, e que ganhou quatro dos últimos cinco jogos. Mais um desafio para o Inter tentar provar que está melhorando o seu desempenho.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A repetição de um equívoco

O Grêmio autorizou, hoje, o meia Gata Fernandez a procurar outro clube para jogar. Gata Fernandez vinha demonstrando insatisfação por não vir sendo aproveitado, e o Grêmio, ao tomar tal atitude, sinaliza que o jogador estava, mesmo, fora dos planos do clube. O incrível é que Gata chegou ao Grêmio há apenas quatro meses. Na verdade, a contratação do meia argentino é, por parte do Grêmio, a repetição de um equívoco. Gata já está com 33 anos, e no seu último clube, a Universidad de Chile, não vinha tendo bom desempenho, o que o deixou em rota de colisão com a torcida. O Grêmio, no entanto, contratou o jogador com base no fato de que ele foi um dos destaques do Estudiantes de La Plata na conquista do título da Libertadores de 2009. Como se vê, o Grêmio ignorou o fato de que já transcorreram oito anos desde aquele feito do Estudiantes, e que o jogador já não tem a mesma performance que exibia na época. Em 2008, o Grêmio já cometera o mesmo erro quando contratou o volante Ottermann, do Olimpia, que havia se destacado no título da Libertadores de 2002, ganho pelo clube paraguaio. Ottermann teve uma trajetória opaca no Grêmio, e num rasgo admirável de sinceridade, disse que o clube o contratara pensando no jogador de 2002, mas que ele, seis anos depois, já não tinha o mesmo rendimento. O fascínio histórico do Grêmio por jogadores dos países sul-americanos, e o fato de que suas contratações são economicamente vantajosas, leva o clube a, vez por outra, cometer erros desse tipo. Tudo estava a indicar, antes da efetivação da contratação, de que Gata Fernandez não daria certo no Grêmio, o que acabou se confirmando. O futebol, com seu alto índice de profissionalização, não tem mais lugar para aquisições irrefletidas como essa. Contratar jogadores, mais do que nunca, é uma ação que exige muito critério.

domingo, 9 de julho de 2017

Derrota desastrosa

Não há desculpa aceitável para a derrota que o Grêmio sofreu, hoje. O Grêmio perdeu por 2 x 0 para o Avaí, na Arena, pelo Campeonato Brasileiro. Foi a terceira derrota consecutiva do Grêmio pela competição, sendo duas delas em casa. Desde o início do jogo, o Grêmio dominou o Avaí, e criou chances de gol que foram sendo desperdiçadas. No início do segundo tempo, surgiu a oportunidade para o Grêmio terminar com a ansiedade pela falta de um gol, mas Edílson errou a cobrança de um pênalti. A partir daí, a pressa tomou conta do time, e o Avaí se aproveitou para fazer dois gols em contra-ataques. O goleiro do Avaí, Douglas, teve grande atuação, é verdade, mas isso não ameniza a incompetência do Grêmio. Foi uma derrota desastrosa, que fez o Grêmio cair para o terceiro lugar no Brasileirão, com dez pontos e duas vitórias a menos que o líder Corinthians. Para piorar, o próximo jogo será contra o clube que lhe tirou do segundo lugar, o Flamengo, na Ilha do Urubu. Afora isso, dos próximos cinco jogos do Grêmio, três serão fora de casa. Se antes o Grêmio era um dos favoritos para o título, agora começa a perder rendimento na competição. Por mais que o técnico do Grêmio, Renato, tente minimizar o resultado de hoje, ele foi comprometedor para a campanha do clube, e diminui muito suas chances dentro da disputa.

sábado, 8 de julho de 2017

Crise interminável

O drama do Inter se arrasta. Uma crise interminável abala os alicerces do clube. O Inter empatou em 1 x 1 com o Criciúma, hoje, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. Foi mais um jogo sem vitória do Inter em seu estádio. Pior que isso, o Inter saiu atrás no placar logo aos seis minutos do primeiro tempo, e só empatou aos 47 do segundo. Com sete novidades no time em relação ao jogo anterior, o Inter, dessa vez, criou várias chances de gol, mas não conseguia concluir com eficiência. O Criciúma, de sua parte, resistia bem à pressão exercida pelo Inter. Num raro lance em que perdeu uma disputa de bola aérea, o Criciúma sofreu o gol de empate. A torcida do Inter, no entanto, não se contentou com o empate. Os mesmos distúrbios ocorridos no jogo anterior, na derrota para o Boa Esporte, repetiram-se depois da partida, com arremesso de pedras, quebra de vidraças, e muita confusão. O Inter realizou quatro jogos consecutivos no Rio Grande do Sul, sendo três no Beira-Rio, nos quais esperava obter de dez a doze pontos. Fez, apenas, cinco. A única partida dessa série que o Inter venceu foi, justamente, a que jogou fora de casa, contra o Brasil de Pelotas. Até agora, o Inter só ganhou uma partida em seu estádio, contra o Náutico, lanterna absoluto da competição. Os próximos dois jogos do Inter serão como visitante, condição em que obteve três vitórias. Porém, isso nada garante, é, somente, um dado estatístico. Atualmente, o Inter não inspira nenhuma confiança.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Entre o ruim e o pior

O caos político brasileiro não dá sinais de arrefecimento. Pelo contrário. O desastroso governo do golpista e ilegítimo Michel Temer está por chegar ao fim a qualquer momento, mas, caso isso se confirme, deverá ser substituído por uma administração encabeçada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Como se vê, o Brasil está entre o ruim e o pior. Rodrigo Maia é um político da mesma baixa extração de Temer. Se vier a se tornar presidente, já sinalizou que manterá a equipe econômica de Temer, o que significa que o assalto aos direitos dos trabalhadores irá continuar. Na verdade, as forças que apoiaram o golpe não abrem mão de verem as reformas trabalhista e previdenciária aprovadas. Maia no poder representaria a continuidade na aposta das reformas, que teriam efeitos deletérios para os trabalhadores brasileiros. A queda de Temer é imperiosa, e já deveria ter ocorrido. Porém, ela teria que ser o princípio de uma reconstrução do país, e não o fim do estágio inicial de sua destruição. Rodrigo Maia como presidente significaria o agravamento do que já é pavoroso. Não basta trocar o presidente, é preciso pôr fim a estrutura de poder atual, oriunda de um golpe, e restituir a democracia no país. Para isso, é fundamental que as ruas se manifestem vigorosamente. O povo brasileiro não pode assistir passivamente á destruição do seu futuro.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Os 60 anos de um encontro mágico

Na data de hoje, há exatos 60 anos, ocorreu um encontro que mudaria a história da música, e também da cultura ocidental. No dia 6 de julho de 1957, em Liverpool, John Lennon e Paul McCartney se encontraram pela primeira vez. Foi antes de um show do grupo "The Quarrymen", criado e liderado por John, que seria o embrião dos Beatles. Paul mostrou a John que sua guitarra estava desafinada. Solicitou que John lhe emprestasse a guitarra, fez a afinação do instrumento e interpretou duas músicas. John ficou impressionado de um canhoto ser capaz de verificar e corrigir a desafinação da guitarra de um músico destro, como era o seu caso, e com o virtuosismo que demonstrou nas interpretações que fez. Ele imaginou que Paul deveria ter um ego gigantesco, o que tornaria difícil uma aproximação. Após o show, um outro integrante do grupo disse para Paul que John era muito orgulhoso para fazer o convite diretamente, mas que queria tê-lo no Quarrymen. Esse foi o início de uma parceria lendária, que criou clássicos inesquecíveis e atemporais. Os Beatles são, sem favor algum, o maior grupo musical de todos os tempos. Com essa denominação e com sua formação definitiva, ficou apenas oito anos junto, mas, faltando três para completar meio século de sua separação, seu sucesso permanece inalterado. Todo e qualquer disco ou produto relacionado ao grupo que seja lançado torna-se, imediatamente, um sucesso de vendas. Não é para menos, em se tratando de um grupo que ainda tinha um guitarrista tão talentoso como George Harrison, autor, também ele, de lindas e célebres composições, e um baterista carismático, Ringo Starr. Os 60 anos de um encontro mágico, assim devemos nos referir ao primeiro contato entre John Lennon e Paul McCartney. Um encontro que proporciona, até hoje, o encantamento com sua obra magnífica.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Decepções

No futebol, muitas vezes, times se mostram muito fortes no papel, mas isso não se confirma dentro de campo. Esse é o caso, atualmente, de Palmeiras e Atlético Mineiro. Apontados como dois dos melhores times do futebol brasileiro, eles não conseguem confirmar isso nos seus jogos. Os dois clubes tiveram um péssimo início de Campeonato Brasileiro, e somente agora ensaiam uma recuperação na competição. Hoje, pela Libertadores, voltaram a fracassar. Ambos foram derrotados pelo mesmo placar de 1 x 0. O Atlético Mineiro perdeu para o Jorge Wilstermann (BOL), em Cochabamba, e o Palmeiras teve o mesmo desfecho diante do Barcelona (EQU), em Guayaquil. Pior que as derrotas foram as atuações dos dois times, muito fracas. Eles decidirão a classificação para a próxima fase jogando em casa, mas a tarefa será árdua, já que para seus adversários empates serão suficientes. O futebol é dinâmico, e muito há para acontecer até o final do ano, mas, até agora, Atlético Mineiro e Palmeiras são duas grandes decepções em 2017.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Mais uma classificação encaminhada

A exemplo do que aconteceu na Copa do Brasil, o Grêmio está com mais uma classificação encaminhada. Com um gol relâmpago, aos 46 segundos do primeiro tempo, o Grêmio venceu o Godoy Cruz por 1 x 0, em Mendoza, na Argentina, pelas oitavas de final da Libertadores. Agora, bastará um empate no segundo jogo, na Arena, para que o Grêmio se classifique para as quartas de final da competição. Não foi um grande jogo. A chuva intensa deixou o gramado muito escorregadio. O Grêmio não jogou um grande futebol, mas soube garantir a vitória. Mais do que o resultado de hoje, a limitação técnica do Godoy Cruz é que dá a quase certeza de que o Grêmio se classificará para as quartas de final. Esse segundo jogo será só no início de agosto. Mais uma vez, diante de outro hiato para os próximos jogos pela Copa do Brasil e Libertadores, o Grêmio terá um bom período para se dedicar exclusivamente ao Campeonato Brasileiro e consolidar sua boa campanha na competição. Como se vê, o Grêmio vive um momento muito favorável, em que está com bom desempenho em todas as disputas de que está participando. As chances de conquistar títulos, portanto, é considerável.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

A queda de Rogério Ceni

No futebol, não há idolatria que blinde contra os maus resultados. A demissão do técnico do São Paulo, Rogério Ceni, comprova isso. A queda de Rogério Ceni era inevitável, pois em momento algum o seu trabalho mostrou eficiência. Em seis meses no cargo, Rogério acumulou eliminações, e o São Paulo iniciou o Campeonato Brasileiro sem nenhuma competição paralela. Em apenas 11 rodadas da única disputa que lhe restou no ano, o São Paulo entrou na zona de rebaixamento. Foi a gota d'água. Nem a condição de maior ídolo da história do clube salvou Ceni. Na verdade, ao contratar Ceni, o São Paulo buscou uma solução mágica, num clube que enfrenta problemas administrativos sérios nos últimos anos, que se refletem nos resultados de campo, que vem sendo frustrantes, com um jejum de títulos desde 2012. Rogério Ceni, por sua força junto ao torcedor, amor ao clube e preparação para tornar-se técnico, surgiu como uma aposta do São Paulo para viver tempos menos turbulentos. Não deu certo. Ceni continuará sendo um ídolo do São Paulo, mas como técnico foi mais um problema do que uma solução.

domingo, 2 de julho de 2017

A disparada do Corinthians

O que se prenunciava, aconteceu. O Campeonato Brasileiro, que vinha numa disputa equilibrada até uma semana atrás, teve a disparada do Corinthians na rodada que se encerrará amanhã. Mesmo com dificuldade, e desperdiçando um pênalti, que, por sinal, não existiu, o Corinthians confirmou o seu favoritismo, e venceu o Botafogo, no Itaquerão, por 1 x 0. Com o resultado, o Corinthians abriu sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Grêmio, e com duas vitórias a mais. Ainda que a competição esteja longe do seu término, são números muito favoráveis, e que credenciam o Corinthians como o maior candidato ao título. O Grêmio, ao ser derrotado em dois jogos em que escalou times reservas, e perder para o próprio Corinthians em casa, começa a se afastar cada vez mais da busca pela liderança, e já sofre a aproximação na tabela de adversários que estavam muito distantes. Nada está decidido, é claro, mas o Corinthians já é o grande favorito para ganhar o Brasileirão, o que faria dele o primeiro clube a vencer a competição por sete vezes.

sábado, 1 de julho de 2017

Desastre

Não há como qualificar de outra forma o que ocorreu, hoje, no Beira-Rio. Foi um desastre. O Inter perdeu para o Boa Esporte, por 1 x 0, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, e não houve qualquer injustiça no resultado. Pelo contrário, o Boa Esporte poderia ter vencido de forma mais ampla, pois, antes de marcar seu gol, já havia perdido uma chance claríssima. O Inter alegava que não tinha tempo para treinar e aprimorar o time. Como não teve jogos no meio de semana, aproveitou para fazer treinos intensivos. Com esse propósito, isolou-se num hotel em Viamão. Os torcedores e a imprensa não tiveram acesso aos treinos, que foram secretos. Havia, portanto, grande curiosidade sobre os efeitos do esforço concentrado em Viamão. Chegada a hora de se conhecer as consequências do trabalho da semana, o que se viu foi um descalabro. Um time desconjuntado, incapaz de articular, lento, facilitando a vida do adversário com o excesso de toques na bola sem conseguir penetrar na defesa. O Inter tem o melhor desempenho como visitante na competição. Em casa, no entanto, tem apenas 38% de aproveitamento, pois só ganhou do lanterna absoluto, o Náutico. Mais uma vez, o Inter saiu fora da zona de classificação para a Primeira Divisão. A tarefa de voltar para a elite do futebol brasileiro, que, esperava-se, seria tranquila, poderá alcançar tons dramáticos para o Inter.

As escolhas de Renato

O técnico do Grêmio, Renato, possui reconhecidos méritos nessa que é a terceira vez em que exerce o cargo. Foi ele que acrescentou competitividade ao jogo de toques estabelecido pelo técnico anterior, Roger Machado, no time do Grêmio. Também foi Renato quem devolveu ao Grêmio a conquista de um grande título, depois de 15 anos, levando o clube a ganhar a Copa do Brasil de 2016. Porém, as escolhas de Renato, por vezes, estão longe de ser as mais corretas. No jogo de hoje, em que o Grêmio perdeu para o Palmeiras por 1 x 0, no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro, isso ficou evidente, mais uma vez. Ao contrário do que a imprensa informou durante toda a semana, dando conta de que ele escalaria Bruno Grassi no gol e Bruno Rodrigo na zaga, Renato os preteriu por Léo e Bressan, respectivamente. A escolha de Renato, nos dois casos, é incompreensível. Léo, em todas as vezes que jogou, mostrou-se um goleiro tecnicamente fraco e emocionalmente inseguro. Bressan, sabidamente, é um jogador abaixo da crítica, de desempenho comprometedor. Hoje, não foi diferente. O gol contra que determinou a derrota do Grêmio, num carrinho de Machado, que recém entrara em campo, só ocorreu porque a bola raspou em Bressan, desviando-a do alcance de Léo. Exatamente como aconteceu na eliminação do Grêmio no Campeonato Gaúcho de 2016, quando o clube foi desclassificado pelo saldo qualificado mesmo vencendo o Juventude por 3 x 1, na Arena, devido a um gol contra involuntário de Bressan. Como se vê, Bressan, afora sua constrangedora insuficiência técnica, coloca-se muito mal e é azarado. A torcida do Grêmio, com razão, não suporta Bressan, mas Renato insiste com ele. Perguntado, após o jogo, de porque escalara Bressan em vez de Bruno Rodrigo, Renato alegou que ele está "mais jogado" que o ex-zagueiro do Cruzeiro, e que o jogador teve um bom desempenho no seu trabalho anterior como técnico do Grêmio, quando o clube foi vice-campeão brasileiro, em 2013. Faltou alguém lembrar para Renato que o campeão brasileiro de 2013 foi o Cruzeiro, e que Bruno Rodrigo era titular do time. Com equívocos como esse, o Grêmio não poderia ter melhor sorte contra o Palmeiras. O jogo não foi bom, e talvez o empate em 0 x 0, que persistiu quase até o final, fosse o resultado mais justo, mas o futebol não aceita desaforo. Enquanto o Palmeiras escalou um time misto reforçado por titulares importantes, o Grêmio entrou em campo apenas com reservas. Nas substituições que fez durante a partida, o Palmeiras colocou jogadores como William, Roger Guedes e Raphael Viana. O Grêmio, de sua parte, colocou em campo Nicolas Careca, Machado e Lima. Com mais essa derrota ocasionada pela escalação de um time reserva, como já havia acontecido contra o Sport, na Ilha do Retiro, o Grêmio permitiu a aproximação do Palmeiras, e corre o risco de ficar sete pontos atrás do Corinthians, se o clube paulista vencer o Botafogo. O Grêmio possui plenas condições de ganhar a competição, mas parece não desejar que isso aconteça.