sexta-feira, 22 de setembro de 2017

O caos no Rio de Janeiro

Episódios de violência, insegurança da população, comunidades dominadas por facções criminosas, o poder paralelo desafiando as instituições, nada disso é novidade no Rio de Janeiro. Hoje, no entanto, esse quadro atingiu um nível de gravidade poucas vezes visto. A violência se espalhou pela cidade, e a favela da Rocinha sofreu intervenção das Forças Armadas. Porém, o processo de degradação da mais linda cidade do mundo não começou agora. Anos de incúria administrativa levaram ao panorama atual. A cidade tornou-se refém do poder do tráfico. Morros e favelas foram dominados pelo crime organizado. O caos no Rio de Janeiro é a crise do país vista com lente de aumento. O Rio é a cidade que dá identidade ao Brasil, sua melhor tradução cultural. Dentro do país, sempre coube ao Rio o papel de vanguarda nas tendências, hábitos, usos e costumes. Sua paisagem exuberante seduz nativos e estrangeiros. A agonia do Rio, portanto, não é um fato localizado, mas a expressão mais evidente do desmoronamento do país. Um país governado por golpistas e corruptos, sem rumo, minado pela ausência de perspectivas, entregue á desesperança, flertando com soluções autoritárias e antidemocráticas. Não há solução mágica, nem imediata, pára uma situação tão crítica. Um fator, entretanto, é essencial. O fosso existencial entre o morro e o "asfalto" não pode persistir. Sem justiça social é impossível construir um país estável. Sem ela, o caos se instala, a violência se banaliza, a sociedade se desumaniza. Tanques nas ruas são um remédio imediatista, como um antitérmico para um quadro febril. Para curar a infecção que gerou a febre é preciso muito mais. A receita inclui, ainda, educação e democracia. Sem isso, todas as soluções serão meramente paliativas, prolongando indefinidamente a erradicação da enfermidade que se abate sobre o tecido social brasileiro.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Semifinais definidas

A Libertadores está com as suas semifinais definidas. Os confrontos serão Grêmio x Barcelona de Guayaquil e River Plate x Lanus. Grêmio e Lanus têm a vantagem de fazerem o segundo jogo em casa. Se vierem a decidir a competição entre si, essa prerrogativa será do Lanus, por ter feito a maior pontuação na fase de grupos. O River Plate reverteu a goleada de 3 x 0 que havia sofrido do Jorge Wilstermann, em Cochabamba, e massacrou o adversário por 8 x 0, no Monumental de Nunez. O Lanus devolveu o 2 x 0 de sua derrota para o San Lorenzo, no primeiro jogo, e venceu nos tiros livres da marca do pênalti por 4 x 3. Dessa forma, já é certo que um clube argentino estará na decisão da Libertadores. Caso o Grêmio se classifique, resta saber qual adversário seria o mais interessante de ser enfrentado. O River Plate tem muito mais peso e tradição, mas, contra ele, o Grêmio faria o segundo jogo em casa. O Lanus é um clube de menor expressão, mas faria a segunda partida em casa. Seja como for, o Grêmio terá, antes, de eliminar o Barcelona de Guayaquil. Pelo futebol que vem jogando, não será uma tarefa fácil.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Sofrimento

Uma péssima atuação no primeiro tempo, razoável no segundo. Um sofrimento do início ao fim. Assim foi a vitória de 1 x 0 do Grêmio sobre o Botafogo, hoje, na Arena, pelas quartas de final da Libertadores. O Grêmio não se encontrou em momento algum do primeiro tempo, mostrava-se um time nervoso e desconjuntado. Os erros de passes se sucediam. Kannemann, um zagueiro que sempre exibe segurança, errou com frequência, proporcionando contra-ataques para o adversário. Chegar ao intervalo sem ter sofrido gol já foi muito bom para o Grêmio. No segundo tempo, o Grêmio cresceu de produção. Não foi nada capaz de despertar entusiasmo, mas acabou sendo o suficiente para obter a vitória. Com o resultado, o Grêmio classificou-se para as semifinais da Libertadores, onde será o único representante brasileiro, pois o Santos foi eliminado pelo Barcelona de Guayaquil em plena Vila Belmiro. Aliás, esse será justamente o adversário do Grêmio nas semifinais, com o segundo jogo na Arena. O Grêmio está a quatro jogos de distância do seu terceiro título de Libertadores. O sonho começa a tomar contornos de realidade.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O distritão foi rejeitado

Como seria de se esperar, a tão propalada reforma eleitoral não deverá acontecer. As próximas eleições tendem a ser disputadas dentro das mesmas regras atuais, ainda que a necessidade de mudanças seja evidente. A principal novidade da reforma que vinha sendo aventada, a da criação de distritos eleitorais, acabou não se confirmando. O "distritão" foi rejeitado em votação realizada, hoje, na Câmara dos Deputados. Outras propostas de alterações no sistema eleitoral ainda serão votadas, mas o prazo para isso é exíguo, pois as novas regras, caso sejam adotadas, precisam ser aprovadas até outubro para que já sejam válidas nas eleições de 2018. Esse quadro não chega a ser de todo ruim. Os distritos eleitorais representam uma mudança muito grande no regramento eleitoral, sem que haja convicção de que seria um avanço. Com um Congresso Nacional que tem grande parte de seus integrantes envolvidos em denúncias de corrupção, a elaboração de uma reforma eleitoral seria uma temeridade. Por pior que sejam as regras atuais, é preferível que elas sejam mantidas até a próxima eleição, e que uma reforma profunda seja feita já sob uma nova legislatura.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

O árbitro de vídeo

O "árbitro de vídeo", denominação que se dá ao recurso de verificação das imagens dos jogos de futebol nos lances mais polêmicos, é algo que há muito tempo deveria estar sendo aplicado, no mundo inteiro. Afinal, num esporte que envolve tantas paixões e um volume tão grande de dinheiro, há que se buscar a garantia da total lisura dos resultados. Estranhamente, embora a tecnologia para esse recurso já exista há muitos anos, sua utilização ainda não se disseminou. Ele foi usada no Mundial de Clubes de 2016, e vem sendo aplicado, também, em alguns campeonatos nacionais europeus. Agora, em função do polêmico gol de Jô na vitória do Corinthians sobre o Vasco, ontem, no Itaquerão, a CBF pretende começar a usar o recurso a partir da próxima rodada do Campeonato Brasileiro. A implantação apressada da medida, em uma competição que já está em andamento, pode merecer reparos, mas é preferível a uma postergação de algo tão necessário. Mesmo que ocorram imperfeições iniciais, o árbitro de vídeo tem que vir para ficar. O erro de arbitragem frauda o resultado de jogos e competições. Não pode ser tolerado.

domingo, 17 de setembro de 2017

Tropeço indesculpável

Não há argumento que possa amenizar o que aconteceu, hoje, na Arena. O Grêmio perdeu por 1 x 0 para a Chapecoense, e viu sua distância para o líder do Campeonato Brasileiro, o Corinthians, aumentar para dez pontos. O time que o Grêmio colocou em campo era forte, com sete titulares. O adversário estava na zona de rebaixamento. Tudo favorecia a que o Grêmio obtivesse uma vitória, até com facilidade. Não foi o que aconteceu. Durante o jogo inteiro, o Grêmio exerceu um domínio inócuo diante de uma Chapecoense retrancada. Não faltou esforço, mas em nenhum momento o time mostrou criatividade. Com exceção de Fernandinho, ninguém jogou bem. Após o jogo, o técnico do Grêmio, Renato, disse que o time jogou bem, mas não mereceu melhor sorte por não ter tido criatividade. Mais uma vez, Renato deu a impressão de se eximir se qualquer parcela de culpa pelo mau resultado. Foi, na verdade, um tropeço indesculpável. Está mais do que visível que o Grêmio vive uma forte queda de rendimento, e vai fragilizado para o jogo contra o Botafogo, na quarta-feira, pela Libertadores. O ano poderá acabar antes do tempo para o Grêmio, caso seja eliminado pelo Botafogo, o que seria melancólico para um clube cujo time chegou a encantar o Brasil com o seu futebol.

sábado, 16 de setembro de 2017

Goleada em tarde chuvosa

Nem mesmo o temporal que se abateu sobre Porto Alegre durante todo o dia foi obstáculo para o Inter, hoje, no Beira-Rio. Conforme o esperado, o Figueirense foi uma presa fácil para o Inter que, com uma goleada em tarde chuvosa, voltou a ser o líder do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. O placar de 3 x 0, no entanto, foi construído de forma espaçada. O Inter abriu o placar logo no início do primeiro tempo. O 2 x 0 só aconteceu no começo do segundo, e o terceiro surgiu próximo ao final do jogo. O Inter ainda perdeu várias outras chances durante a partida. Foi um resultado previsível num jogo que reunia um clube que luta pelo título da Série B e outro que está afundado na zona de rebaixamento. Os jogos restantes do Inter na competição, dada a fragilidade da maioria dos adversários, poderão se transformar em mera contagem regressiva para o retorno á Primeira Divisão.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

A convocação de Arthur

Em menos de 48 horas, da noite de quarta-feira até a manhã de hoje, o volante Arthur, do Grêmio, saiu da planície para o seleto grupo de jogadores da Seleção Brasileira. Arthur tem apenas 36 jogos pelo time profissional do Grêmio, mas seu futebol já chamava a atenção dentro e fora do Rio Grande do Sul. A magnífica atuação que teve no jogo contra o Botafogo, no Engenhão, ampliou o seu bom conceito, rendendo-lhe elogios em todo o país. A recompensa ao seu bom futebol veio mais rápido do que se poderia imaginar, com a convocação de Arthur pelo técnico da Seleção,Tite, que já vinha observando-o há algum tempo, e esteve presente no Engenhão. Arthur é um cheque em branco para o Grêmio. Um jogador que tem tudo para fazer fama e fortuna na Europa. Sua inegável qualidade fez com que, no início do ano, ganhasse a posição de Maicon, o capitão da conquista da Copa do Brasil de 2016. Se mantiver o nível de atuação que apresentou contra o Botafogo, Arthur estará na Copa do Mundo de 2018, na Rússia. As categorias inferiores do Grêmio seguem revelando pérolas para o clube. Walace e Pedro Rocha, negociados para clubes europeus esse ano, são provas disso. Outros jovens valores, como Patrick, por exemplo, começam a ter chances no time principal. O futuro técnico e financeiro do Grêmio está bem encaminhado.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A Calçada da Fama

Como parte da programação pela comemoração dos seus 114 anos de fundação, a serem completados amanhã, o Grêmio promoveu, na tarde de hoje, a inclusão de mais cinco jogadores na sua "Calçada da Fama". A iniciativa, que tomou forma no antigo estádio do clube, o Olímpico, foi transferida para a Arena, e, agirá, ganha continuidade. Ela consiste no registro, em cimento, dos pés, e das mãos no caso dos goleiros, de jogadores que marcaram época defendendo a camisa do clube. Hoje, deixaram sua impressões no cimento o goleiro Leão, os volantes Luís Carlos Goiano e Maicon, o meia Iura, e o atacante Paulo Nunes. Iura já havia deixado sua marca anteriormente, mas precisou repetir a ação, já que ela fora danificada. Os cinco nomes são muito representativos na extensa galeria de grandes conquistas do clube. Leão foi destaque no primeiro título de campeão brasileiro do Grêmio, em 1981. Luís Carlos Goiano e Paulo Nunes fizeram parte do grande time da era Felipão, que ganhou todos os títulos possíveis, a exceção do mundial, que perdeu nos tiros livres da marca do pênalti, para o Ajax. Iura foi um dos protagonistas do título de campeão gaúcho de 1977, quando o Grêmio quebrou uma hegemonia de oito anos do seu maior rival, o Inter. Maicon foi o capitão do mais recente grande título do Grêmio, o da Copa do Brasil de 2016. A Calçada da Fama reverência jogadores que deixaram uma contribuição indelével para a construção da grandeza do clube, seja por sua liderança em campo, pela combatividade, ou pela exuberância técnica. Nela estão registrados para a posteridade nomes como Renato, Oberdan, André, Alcindo, Aírton, De León, entre tantos outros astros imortais da constelação gremista. Uma belíssima ideia, que repercutiu amplamente junto aos torcedores desde que foi implantada, e que merece ter continuidade ao longo do tempo, preservando a memória do clube.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Confronto indefinido

Nada ficou encaminhado no primeiro jogo entre Botafogo e Grêmio pelas quartas de final da Libertadores. Hoje à noite, no Engenhão, Botafogo e Grêmio empataram em 0 x 0, o que deixa o confronto indefinido e totalmente em aberto para a segunda partida, na próxima quarta-feira, na Arena. O Grêmio considerou o resultado favorável, pois estava muito desfalcado e jogará a segunda partida em casa. Porém, não é bem assim. Como a disputa se dá no sistema de saldo qualificado, um novo 0 x 0 levará a decisão da classificação para os tiros livres da marca do pênalti, e qualquer outro empate servirá ao Botafogo. O Grêmio, portanto, é obrigado a ganhar para poder se classificar. Menos mal que o Grêmio deverá ter Geromel, Michel e Luan de volta ao time, e que a Arena receberá um dos maiores públicos de sua história, mas toda a atenção é  pouca diante de um confronto como esse. Por jogar em casa, o Grêmio tem um leve favoritismo, mas isso não lhe garante nada. Cabe ao torcedor do Grêmio segurar sua ansiedade, e tentar ser o décimo-segundo jogador em campo para levar o Grêmio às semifinais da Libertadores, o que não ocorre desde 2009.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Futebol elitizado

Mais popular dos esportes, capaz de atrair multidões como nenhum outro, o futebol está sendo descaracterizado da sua condição popular. O futebol elitizado dos dias atuais é uma negação da sua essência. Há alguns anos, foi estabelecido o "padrão Fifa" na construção de estádios, que passaram a ser confortáveis, com lugares marcados, e de menor capacidade de público. A consequência, óbvia, foi o encarecimento do preço dos ingressos, afastando dos estádios as pessoas de menores recursos financeiros. Uma amostra desse descalabro é o que acontece nos jogos do Paris Saint Germain, nas partidas como mandante pela Champions League, cuja edição 2017/2018 iniciou hoje. O ingresso mais barato para um jogo do clube em casa custa o equivalente a R$ 495. O mais caro supera os R$ 5 mil. O valor do ingresso mais barato corresponde a 10% do salário mínimo francês. Paralelamente a isso, outro fator economicamente perverso do futebol atual é o poderio financeiro desmesurado de alguns clubes em relação aos demais, o que gera um desequilíbrio técnico entre os disputantes das competições, limitando as chances de conquista de títulos a um número muito reduzido de participantes. Clubes como o já citado Paris Saint Germain, Real Madrid, Barcelona, Chelsea e Manchester City possuem uma condição financeira muito superior às dos demais, o que lhes possibilita contratar os melhores jogadores disponíveis no mercado, e transforma grande parte de seus adversários em meros coadjuvantes nas competições. Nada disso é bom para o futebol. Por mais espetaculares que possam ser os jogadores presentes em campo, nenhuma partida de futebol, isoladamente, justifica o dispêndio de mais de R$ 5 mil para ser assistida. O desequilíbrio financeiro entre os clubes diminui a competitividade e, por conseguinte, a atratividade das competições. Esse quadro não pode perdurar. O futebol é um esporte essencialmente popular. Não pode ser transformado num mero negócio milionário voltado para os torcedores de sofá e poltrona.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

A exposição

Desde ontem, um assunto tomou conta de Porto Alegre, repercutindo em todo o Brasil, e até no exterior. O fato em questão foi o cancelamento abrupto da exposição "QueerMuseu - Cartografias da diferença na arte brasileira", que estava sendo exibida no Santander Cultural desde o mês de agosto e com previsão de encerramento em outubro. A direção do centro cultural cedeu às pressões do Movimento Brasil Livre - MBL, organização de extrema direita, que chegou ao cúmulo de constranger e ofender pessoas que assistiam à exposição, e despejou protestos no site do Santander Cultural, forçando o cancelamento. A alegação para a arbitrária e obscurantista medida foi o de que a exposição fazia apologia da pedofilia e da zoofilia, e feria valores cristãos. O Brasil está sendo tomado por uma onda fascista que não pode mais ser ignorada, nem relativizada. Há uma ação deliberada com a intenção de fazer o país retroagir para níveis medievais de comportamento. A exposição foi atacada porque sua temática refletia a visão LGBT, e o MBL, como organização fascista que é, adota um discurso carregado de homofobia. Os setores mais esclarecidos da sociedade precisam deter o avanço do obscurantismo. Nenhum meio de revide deve ser descartado. Os arautos do atraso não podem ganhar terreno. Se radicalizarem em suas ações retrógradas, que recebam o troco devido. As mentes conscientes e esclarecidas não podem se curvar diante de tamanho descalabro. Chega de tolerância com os sabotadores da democracia!

domingo, 10 de setembro de 2017

Diferença mantida

A exemplo do Grêmio, o líder Corinthians também foi derrotado na rodada, e, com isso, não houve alteração na distância entre ambos na classificação do Campeonato Brasileiro. A diferença mantida, de sete pontos, ainda concede tranquilidade para o Corinthians, mesmo com sua abrupta queda de rendimento. Depois de um primeiro turno avassalador, em que terminou invicto, o Corinthians já perdeu três dos quatro jogos que realizou no segundo, e não marcou um gol sequer. Se a atual fase da competição fosse disputada de maneira isolada, o Corinthians estaria, momentaneamente, na zona de rebaixamento. A "gordura" acumulada, no entanto, e a incompetência dos adversários, que não aproveitam os seus tropeços para se aproximarem na classificação, permitem ao Corinthians manter-se como favorito para o título. Porém, ao perder por 2 x 0 para o Santos, hoje, na Vila Belmiro, o Corinthians deixou evidente que vive um mau momento técnico, e que precisa reagir rapidamente, sob pena de ver ameaçada uma conquista que parecia certa. Para o campeonato, a derrota do Corinthians foi uma boa notícia, pois evitou o encaminhamento de um desfecho antecipado. O resultado manteve Grêmio e Santos com chances de lutar pelo título. A liderança do Corinthians permanece folgada, é verdade, mas o campeão não está definido.

sábado, 9 de setembro de 2017

Derrota indesculpável

Um balde de água fria. Uma derrota indesculpável. Assim pode ser definido o jogo. Vasco 1 x 0 Grêmio, hoje, em São Januário, pelo Campeonato Brasileiro. Caso o Grêmio vencesse, e o Corinthians perdesse para o Santos, amanhã, a diferença entre os dois clubes, na classificação, se reduziria para quatro pontos. O Grêmio tinha todas as condições para conseguir isso. Colocou em campo o que tinha de melhor, contra um adversário tecnicamente fraco, num estádio com portões fechados. Porém, mesmo com tantos fatores favoráveis, o Grêmio teve uma atuação lamentável, tomou um gol numa falha constrangedora da sua defesa, e não criou chances concretas durante todo o jogo. O mau resultado poderá ter reflexos no jogo de quarta-feira, contra o Botafogo, pela Libertadores. Mais uma vez, o Grêmio fraquejou num momento importante, parecendo que sente o peso da responsabilidade nessas ocasiões. Perdeu a chance de "pôr fogo", no Brasileirão. Um fracasso para o qual nenhuma desculpa é aceitável.

Dificuldade confirmada

Toda vez que o Inter enfrenta o Juventude no Alfredo Jaconi há o prenúncio de um jogo duro. Uma dificuldade confirmada na prática, hoje à tarde. O Inter perdeu para o Juventude por 2 x 1, e deixou a liderança do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, que agora é ocupada pelo América Mineiro. O Juventude saiu na frente no placar, mas cedeu o empate dois minutos depois, situação que persistiu até o final do primeiro tempo. Porém, no segundo, o Juventude obteve a vitória com um belo gol. Dessa forma, o Inter sofreu uma derrota depois de obter seis vitórias consecutivas. Em três jogos contra o Juventude em 2017, o Inter teve duas derrotas, ambas no Alfredo Jaconi, e um empate, no Beira-Rio. O mau resultado, no entanto, não deverá ter maiores reflexos na campanha do Inter na competição. A possibilidade do Inter não ficar entre os quatro primeiros colocados, que subirão para a Primeira Divisão, é muito remota,  em função da qualidade modesta dos demais participantes da disputa. A derrota de hoje evidenciou, entretanto, que, para vôos mais altos, o grupo de jogadores terá de ser substancialmente reforçado.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Calendário insensato

O futebol brasileiro está sendo vítima de um calendário insensato. O interesse de redes e canais de televisão, que adquirem os direitos de transmissão das competições, estão se sobrepondo totalmente ao aspecto esportivo, e os clubes e seus torcedores acabam sendo imensamente prejudicados. Em nome das grades de programação dos detentores de direitos de transmissão, o Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil, a Libertadores e a Copa Sul-Americana estão sendo disputadas ao longo do ano, o que gera superposição de competições. O efeito negativo desse calendário adotado em 2017 é que força os clubes a valorizarem uma determinada competição em detrimento de outra, pela dificuldade de buscar a obtenção dos títulos de todas elas. Para que isso fosse feito, houve um espaçamento excessivo entre os jogos da Copa do Brasil e da Libertadores. Como são competições eliminatórias, de reduzido número de jogos, foi necessário fazer grandes intervalos entre as partidas para que elas pudessem se estender pelo ano inteiro. O maior prejuízo, nesse sentido, aconteceu com a Libertadores, cujos jogos e fases são tão espaçados que o torcedor até se esquece que ela ainda está sendo realizada. Amanhã, por exemplo, irá recomeçar o Campeonato Brasileiro, depois de duas semanas de paralisação em função dos jogos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Porém, já no próximo meio de semana, acontecerão jogos pela Libertadores e Sul-Americana, o que leva os clubes a terem de priorizar competições, escalando times descaracterizados nas outras. Na prática, isso é ruim para todos, ou seja, a televisão e seus anunciantes, os clubes e os torcedores. Esse quadro deveria mudar já no próximo ano, pelo bem do futebol. A Copa do Brasil e a Libertadores deveriam se encerrar no primeiro semestre, ficando a Copa Sul-Americana para o segundo, como já ocorreu em anos anteriores. O futebol não pode ser refém dos interesses da televisão. Há que se tentar uma compatibilização dos interesses de todos, mas os clubes e seus torcedores deveriam estar, em primeiro lugar.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Equilíbrio

O equilíbrio foi a tônica no primeiro jogo da decisão da Copa do Brasil, hoje, no Maracanã, entre Flamengo e Cruzeiro, que empataram em 1 x 1. O jogo não teve a emoção que seria de se esperar numa partida decisiva. Os lances de gol eram escassos, o ritmo da partida, por vezes, se mostrava enfadonho. Os momentos de maior intensidade ficaram reservados para a parte final do jogo. Aos 30 minutos do segundo tempo, o Flamengo abriu o placar com um gol irregular, pois Lucas Paquetá estava impedido no lance. O gol fez parecer que O Flamengo sairia vencedor do jogo, mas, poucos minutos depois, numa falha do goleiro Tiago, que "bateu roupa", Arrascaeta empatou para o Cruzeiro. Com o resultado de hoje, nada ficou encaminhado para o segundo jogo, pois não houve um vencedor. A decisão da Copa do Brasil está inteiramente em aberto. O fator campo poderá ser um dado em favor do Cruzeiro, já que o jogo será no Mineirão, mas, como se viu no Maracanã, nem sempre ele é decisivo. Flamengo e Cruzeiro se mostraram equivalentes em virtudes e defeitos, e não se pode conceder o favoritismo para nenhum dos lados.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

O país da roubalheira

O Brasil sempre conviveu com a corrupção. Afinal, o país cultiva a cultura do "jeitinho", ou seja, um meio de se fazer algo fora dos trâmites formais. A propina, o superfaturamento de obras, o "sabe com quem você está falando", o "carteiraço", são manifestações típicas de um país que se acostumou com a impunidade dos poderosos. Porém, em tempo algum o país viveu um quadro como o atual. A cada dia, novos escândalos financeiros são revelados, malas de dinheiro são descobertas. O Brasil tornou-se o país da roubalheira. Os ocupantes de cargos importantes na estrutura de poder roubam com espantosa avidez. Os casos do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, que guardavam expressivas somas de dinheiro dentro de casa, mostram a que patamar chegou a corrupção no país. Antes de se pensar em quem será o próximo presidente, é preciso preocupar-se com o país que ele irá governar. O Brasil atual transmite a ideia de um país em decomposição. A autoestima da população está corroída, a desesperança se instalou na sociedade. Ao contrário do que sustentam os defensores do golpe, as instituições do país não estão funcionando normalmente. O que há no Brasil é um simulacro de normalidade institucional, cada vez menos convincente. A possibilidade de um fascista como o deputado federal Jair Bolsonaro concorrer com chances ao cargo de presidente é um dado revelador do abismo ético em que o Brasil mergulhou. O pior ainda pode estar por vir, por incrível que pareça.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Os primeiros pontos perdidos

Depois de nove vitórias consecutivas, a Seleção Brasileira teve os seus primeiros pontos perdidos em jogos oficiais com o técnico Tite. Foi hoje, no empate em 1x1 com a Colômbia, pelas Eliminatórias da América do Sul para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, em Barranquilla. A Seleção saiu na frente no placar, com um golaço de William, no final do primeiro tempo, mas Falcão Garcia empatou para a Colômbia, no início do segundo. As duas seleções tiveram bons momentos no jogo, mas o intenso calor cobrou o seu preço e, no final da partida, as equipes estavam extenuadas, e não tiveram forças para mudar o resultado. Embora o jogo pouco valesse para a Seleção em termos práticos, pois já está classificada para a Copa do Mundo e não pode mais ser ultrapassada na liderança das Eliminatórias, não faltou futebol, nem empenho, para a equipe. Se a atuação esteve abaixo de outros jogos, também não foi ruim. Enfrentando um adversário forte, com jogadores como James Rodríguez, Cuadrado e Falcão Garcia, e que precisava muito mais dos pontos em disputa, a Seleção não se deixou dobrar, e até esteve mais perto da vitória do que a Colômbia. Em relação aos testes feitos por Tite, Fernandinho e Roberto Firmino, que iniciaram o jogo nos lugares de Casemiro e Gabriel Jesus, respectivamente, não deram resposta no mesmo nível dos titulares. Não há razão, no entanto, para preocupações. A atuação da Seleção não foi brilhante, é verdade, mas manteve um padrão aceitável. Ainda que não tenha vencido, a Seleção permanece invicta em jogos oficiais com Tite. O trabalho do técnico, portanto, prossegue sem sobressaltos.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Saída pela porta da frente

Um fato chamou muito a atenção de quem esteve no sábado, na Arena, para assistir ao jogo Grêmio x Sport. No intervalo, o atacante Pedro Rocha, recentemente negociado com o Spartak Moscou, entrou em campo, acompanhado por seu pai, e acenou para os torcedores, despedindo-se deles, pois viajaria hoje para se apresentar ao seu novo clube. Pedro Rocha foi ovacionado pela torcida, e aplaudido de pé. Afora ser bonita e comovente, a cena vista no sábado é uma demonstração de como é possível fazer uma saída pela porta da frente no futebol mercantilista dos dias atuais. Ronaldinho é odiado pelo torcedor do Grêmio pela forma como saiu do clube, deixando-o a ver navios, sem nada receber por ele. Jonas também deixou o clube de forma traumática, forçando sua saída. Walace, idem. Pedro Rocha, ao contrário, saiu dignamente. Ele havia renovado o seu contrato com o Grêmio no início do ano. Com isso, proporcionou ao clube ganhar um bom dinheiro com sua venda, em vez de sair de graça seis meses antes do término de um contrato. Pedro Rocha soube defender seus interesses sem atropelar os do Grêmio. Dessa forma, saiu do clube de forma digna, e por isso obteve o carinho do torcedor. Se Ronaldinho saiu do Grêmio como um fugitivo, Pedro Rocha o fez de maneira digna, e as portas do clube sempre estarão abertas para ele. A atitude de Pedro Rocha é uma demonstração de que os altos interesses financeiros do futebol não são incompatíveis com a ética e a civilidade.

domingo, 3 de setembro de 2017

O Inter jogou um título fora

Certas atitudes, por mais que se tente entender, se mostram incompreensíveis. Esse é o caso da opção do Inter de ter escalado um time de reservas contra o Atlético Mineiro, na quarta-feira, no Beira-Rio, pelas quartas de final da Copa da Primeira Liga. Não havia razão alguma para o Inter poupar jogadores. Afinal, o Inter é o líder isolado do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, já pôs oito pontos de vantagem sobre o quinto colocado, e só jogará novamente pela competição no próximo sábado. Sendo assim, o Inter não teria nenhum risco colocando os seus titulares em campo. O vencedor de Inter x Atlético Mineiro enfrentaria, nas semifinais, o ganhador de Flamengo x Paraná. Em qualquer dos casos, seria interessante para o Inter, pois um jogo contra o Flamengo teria a motivação natural de uma partida entre dois grandes clubes, e se o adversário fosse o Paraná as perspectivas de se classificar para a decisão seriam amplas. Porém, a realidade é que o Inter jogou com o time reserva, perdeu para o Atlético Mineiro, e foi eliminado da Copa da Primeira Liga. O clube mineiro, confirmando a lógica, elimnou o Paraná nas semifinais. Como no outro lado do chaveamento o clube classificado, hoje, para a decisão foi o Londrina, se pode dizer, sem nenhum receio de errar, que o Inter jogou um título fora. Sim, pois o Inter jogaria a decisão, em partida única, no seu estádio, contra um adversário que já derrotou por duas vezes na Série B, marcando seis gols e sofrendo apenas um. A conquista lhe daria um prêmio de R$ 3 milhões, e um título de campeão, algo que o seu maior rival, o Grêmio, ainda não obteve em 2017. Os argumentos de que a competição não tem valor, e de que a única preocupação do Inter no ano deve ser a de voltar para a Primeira Divisão, são rasos, e não justificam a equivocada opção feita pelo clube. Um clube grande deve estar sempre voltado para a conquista de títulos, nunca para abrir mão deles.

sábado, 2 de setembro de 2017

Chocolate

No jargão do futebol, quando um time goleia seu adversário e demonstra uma flagrante superioridade em campo se diz que ele deu um "chocolate". Foi o que aconteceu hoje, na Arena, no jogo Grêmio 5 x 0 Sport, em partida atrasada do Campeonato Brasileiro. O jogo começou um tanto morno, com o Grêmio tendo dificuldades em concluir. Porém, essa situação só durou até acontecer o primeiro gol, surgido de uma cobrança de falta violentíssima de Edílson. A partir daí, o Grêmio tomou conta do jogo. No segundo gol, Edílson fez uma jogada magnífica, com direito a uma "janelinha" e a uma "meia-lua", e um passe açucarado para Everton chutar para as redes. No segundo tempo, Fernandinho, cobrando pênalti, e depois numa tabela de cabeça com Ramiro, marcou dois gols. A goleada se completou com um gol de Dionathã, que havia entrado um pouco antes. A jogada do quarto gol, particularmente, foi uma demonstração da esmagadora superioridade do Grêmio em campo, começando desde o campo de defesa com toques de calcanhar, e culminando com a tabela de cabeça. Os grandes destaques individuais do Grêmio foram Edílson e Arthur. O resultado fez com que a diferença do Grêmio para o líder do Brasileirão, o Corinthians, caísse para sete pontos. A distância do Corinthians para o Grêmio ainda é confortável para o clube paulista, mas o campeonato está em aberto.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A permanência de Luan

Depois de uma longa novela, a "janela" de transferências fechou, e Luan não saiu do Grêmio. A permanência de Luan impede o que seria um desmonte do time do. Grêmio, pois Pedro Rocha já foi vendido, Maicon fará cirurgia, Douglas segue lesionado, e Bolanos e Lincoln foram emprestados. A saída de Luan iria desfigurar muito a base de time do Grêmio, e em meio a duas competições importantes como o Campeonato Brasileiro e a Libertadores, praticamente deixaria o clube sem chances de título em ambas. Como o Grêmio irá receber uma substancial quantia pela venda de Pedro Rocha, a necessidade de negociar um jogador para fazer caixa já foi suprida. Outra boa notícia para o Grêmio é que Luan prometeu que, não tendo ocorrido a sua ida para o exterior nessa janela, irá renovar o seu contrato, evitando que o clube nada receba quando de uma eventual saída futura. Para o jogador, no entanto, as chances de ir para a Europa escassearam, pois Luan já tem 24 anos e só agora foi convocado para a Seleção Brasileira. Se sonha em ir para um clube de primeira linha da Europa, talvez Luan venha a se frustrar, pois a cada ano isso se tornará menos provável.

Vitória com pouco brilho

Nem tudo saiu como o esperado na noite de ontem, na Arena do Grêmio. A Seleção Brasileira venceu o Equador,  pelas Eliminatórias da América do Sul para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, como todos esperavam, mas foi uma vitória de pouco brilho. O resultado de 2 x 0 indica que o jogo foi ganho ao natural, mas isso não é de todo verdadeiro. Diante de uma forte retranca, a Seleção mostrou-se burocrática no primeiro tempo. Afora a postura defensiva do adversário, a Seleção sofria com a rispidez do Equador, que cometia muitas faltas, por vezes violentas. A equipe brasileira não conseguia impor sua qualidade para furar o bloqueio feito pelo Equador. Na saída de campo para o intervalo, como o 0 x 0 persistisse no placar, ouviram-se vaias no estádio. No segundo tempo, no entanto, esse panorama se alterou. Um novo ímpeto foi demonstrado pela Seleção Brasileira, que aumentou a pressão sobre o Equador, mostrando-se decidida em vencer o jogo. O gol de Paulinho, após uma cobrança de escanteio, trouxe, enfim, o grito preso na garganta do torcedor. Com a entrada de Philipe Coutinho, a Seleção se impôs definitivamente, chegou ao segundo gol, e até poderia ter feito outros. As vaias deram lugar ao "olé" da torcida. A lamentar, o fato de que o estádio esteve longe de lotar. O público foi de pouco mais de 36 mil torcedores, num estádio cuja capacidade total é de mais de 55 mil pessoas. Com a vitória, a Seleção atingiu a sua melhor campanha na história das Eliminatórias e, faltando três rodadas para o seu encerramento, não pode mais perder o primeiro lugar da competição.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Desclassificações

Como já se suspeitava, pelos times que colocaram em campo, ocorreram, hoje as desclassificações de Grêmio e Inter da Copa da Primeira Liga. Porém, Grêmio e Inter não fizeram atuações vexatórias, pelo contrário, e até mereciam melhor sorte. O Grêmio jogou contra o Cruzeiro, no Mineirão, com um time inteiramente reserva. Seu adversário, por sua vez, escalou vários titulares, e ainda colocou outros durante o jogo. Exceto Bruno Rodrigo, o Grêmio jogou, basicamente, com garotos. Ainda assim, fez um enfrentamento equilibrado com o Cruzeiro. Sofreu dois gols no final do jogo, quando tudo indicava que a decisão de quem se classificaria para as semifinais da competição se daria na cobrança de tiros livres da marca do pênalti. Nessas circunstâncias, a derrota deixou um gosto amargo, mas o que fica é que o time reserva do Grêmio portou-se com muita dignidade diante de um adversário com muitos jogadores renomados. O Inter também poderia ter tido um resultado melhor. Contra um Atlético Mineiro que levou para o campo um time misto reforçado por nomes como Marcos Rocha, Gabriel, Fred e Robinho, o Inter, que escalou apenas reservas, levou um gol cedo, reagiu, e terminou o jogo fazendo uma enorme pressão sobre o adversário. Só não empatou porque o goleiro do Atlético Mineiro, Giovanni, fez uma série de grandes defesas. Grêmio e Inter foram desclassificados, mas sem conspurcar a grandeza de ambos os clubes. Agora, resta seguirem na busca dos seus objetivos, o Grêmio o de ganhar mais uma Libertadores, e o Inter o de vencer o Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão.

...
.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Legado olímpico

Completado um ano da realização da Olimpíada no Rio de Janeiro, há pouco ou quase nada para ser exaltado. O propalado legado olímpico não se confirmou. As instalações do Parque Olímpico da Barra da Tijuca não tiveram o aproveitamento posterior que foi anunciado. Até agora, a área tornou-se um elefante branco em processo de sucateamento. O impulso para o esporte no país, também não se confirmou, pelo contrário. Muitos atletas tiveram seus patrocínios reduzidos ou cortados após a competição. O "legado" concreto da Olimpíada foi mais um rombo nos cofres públicos, ainda que o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, negue o fato. Dizia-se que a realização da Olimpíada seria inteiramente bancada com recursos privados, mas isso foi apenas uma falácia. A oportunidade de transformar o Brasil num país poliesportivo, capaz de deixar a condição de mero figurante olímpico, foi desperdiçada. Até mesmo modalidades esportivas antes bem sucedidas no país regrediram no seu desempenho, nos últimos anos, e a Olimpíada do Rio de Janeiro em nada serviu para alterar esse quadro. O exemplo mais notório dessa realidade é o basquete, que segue ladeira abaixo, depois de ter alcançado muitas glórias. Pela primeira vez, desde 1959, o basquete feminino ficará de fora de uma edição do campeonato mundial. O basquete, masculino, por sua vez, deverá ficar alijado da próxima edição dos Jogos Pan-Americanos. No balanço final, quem lucrou com a Olimpíada foram as figuras de sempre em competições desse porte, ou seja, os dirigentes esportivos e os donos de empreiteiras. Para os atletas e o povo, terminada a festa, restou uma amarga conta para pagar.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

O São Paulo está na rota da queda

Sempre que um clube grande começa a dar sinais de que pode ser rebaixado, há resistência dentro e fora dele a que se admita essa possibilidade. A realidade, no entanto, mostra que oito dos doze grandes clubes brasileiros já caíram para a Segunda Divisão. Assim, embora o segundo turno do Campeonato Brasileiro esteja apenas começando, é perceptível que o São Paulo está na rota da queda. A exemplo do que aconteceu com outros clubes grandes que foram rebaixados, o São Paulo já trocou de técnico e o time não reagiu. Uma das razões para isso, como ocorreu com o Inter em 2016, foi a escolha inadequada do novo técnico. No caso do São Paulo, Dorival Júnior não tem o perfil indicado para promover uma virada no desempenho de um time. Dorival tem somado muitos trabalhos ruins nos últimos anos, e não é um técnico sanguíneo, capaz de despertar o brio dos jogadores. Outro dado preocupante para o São Paulo é que ele já iniciou o segundo turno do Brasileirão dentro da zona de rebaixamento, o que não aconteceu com o Inter, por exemplo, que, mesmo assim, caiu. A derrota de ontem para o Palmeiras foi emblemática de um clube que se encaminha para o rebaixamento. O São Paulo abriu o placar, sofreu a virada, conseguiu empatar o jogo, teve três chances claras para fazer o terceiro gol, e acabou perdendo por 4 x 2. Se o São Paulo vier a cair, restarão Flamengo, Santos e Cruzeiro entre os grandes clubes brasileiros a nunca terem sido rebaixados. Essa é mais uma prova de que, ao contrário do que arrogantemente afirmava o Inter antes da sua queda, clube grande cai, sim.

domingo, 27 de agosto de 2017

As escandalosas cifras do futebol

Vai longe o tempo em que o futebol, o esporte das multidões, tinha uma atmosfera de romantismo. O futebol tornou-se um negócio milionário, com grandes quantias sendo pagas pela aquisição de jogadores, que, por sua vez, recebem salários altíssimos. Porém, essa situação ultrapassou todos os limites. As escandalosas cifras do futebol estão comprometendo o futuro desse esporte. Os valores dispendidos pelo Paris Saint Germain pela aquisição de Neymar, e o salário pago ao jogador, podem levar o futebol a um novo parâmetro, cada vez mais excludente, pois só clubes que tenham um magnata ou grupo econômico a lhes dar sustentação financeira poderão formar times fortes. Não fosse a Fifa uma instituição corrupta, alguma medida já teria sido tomada no sentido de coibir esses exageros. Só alguém demasiadamente ingênuo poderá crer que é tudo uma questão de mercado, uma ação natural do capitalismo. Pelos valores cada vez mais altos pagos nas contratações de jogadores, é evidente que o futebol está sendo usado como um meio de lavar dinheiro. A paixão de milhões de torcedores pelo futebol está sendo malbaratada por pessoas e grupos que vêem nele apenas uma fachada para encobrir suas falcatruas.

sábado, 26 de agosto de 2017

O Campeonato Brasileiro não acabou

Embora quase todos digam que é apenas uma questão de tempo para o Corinthians conquistar o título, o Campeonato Brasileiro não acabou. Hoje, o Corinthians perdeu o seu segundo jogo no Brasileirão, por 2 x 1, para o Atlético Goianiense, lanterna absoluto da competição, em pleno Itaquerão. No sábado anterior, o Corinthians havia perdido, também em casa, para o Vitória, outro clube que está na zona de rebaixamento. Dessa forma, se o Grêmio vencer o seu jogo isolado contra o Sport, no próximo sábado, na Arena, sua diferença para o Corinthians cairá para sete pontos.  O jogo seguinte do Corinthians será contra o Santos, na Vila Belmiro, um clássico na casa do adversário, onde a chance de perda de pontos é muito grande. A possibilidade de reversão do campeonato existe, é considerável, e o Grêmio é o clube com chances mais concretas de tirar o título das mãos do Corinthians. Porém, o Grêmio não aprende com os próprios erros. A política de pôr reservas no Campeonato Brasileiro para privilegiar a Copa do Brasil se revelou um equívoco, mas o clube sinaliza que fará o mesmo com a Libertadores. A consequência poderá ser o Grêmio não conquistar nenhum título, e deixar de vencer uma competição, o Brasileirão, que, desde o início mostrou estar ao seu alcance, mas que foi, absurdamente, desprezada pelo clube.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Vitória suada

A liderança, como se prenunciava, foi alcançada, mas o Inter esteve longe de empolgar. Hoje, no Beira-Rio, o Inter venceu o Paysandu por 3 x 2, e se tornou líder do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, posição que só havia ocupado na primeira rodada. No entanto, anainda assim, não há razão para euforia, pois, enfrentando um adversário modestíssimo, obteve uma vitória suada. O primeiro gol do Inter saiu de uma bela jogada de D'Alessandro e Leandro Damião, os outros dois resultaram de falhas defensivas graves do Paysandu. O jogo chegou a estar empatado em 1 x 1, mas parecia ter ficado tranquilo para o Inter quando ele marcou mais dois gols. Porém, o Paysandu conseguiu descontar, e ameaçou empatar a partida até o final. O destaque da noite foi Leandro Damião, que marcou dois gols, já que, desde que retornara ao Inter, só fizera um, e de pênalti. Afora isso, pouco há a festejar. Como o jogo de hoje deixou claro, a liderança obtida pelo Inter decorre muito mais da debilidade dos adversários do que de uma melhora efetiva da qualidade do seu futebol.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Fúria privatista

O governo golpista e ilegítimo não se cansa de mostrar suas garras. Consciente de que está no poder por um arranjo de forças que reúne a plutocracia do país e políticos que vendem o seu apoio por cargos e verbas, o governo afronta os interesses do povo, pois sabe que não depende de popularidade para ficar onde está. Agora, Michel Temer e seus asseclas foram tomados por uma fúria privatista que pretende dizimar com o patrimônio público do país. Esse filme já foi visto pelos brasileiros no governo de Fernando Henrique Cardoso, que vendeu estatais como a Companhia Vale do Rio Doce em troca de moedas podres, mas nunca com tanta intensidade. Depois de anunciar que pretende vender a Eletrobrás, o que irá encarecer e comprometer o abastecimento de energia elétrica para a população, o governo quer privatizar, até mesmo, a Casa da Moeda, instituição responsável pela fabricação do dinheiro no país. Paralelamente a isso, áreas de reserva ambiental são destruídas e entregues á exploração comercial de seus recursos naturais. O país está exposto a um processo de desmonte nunca visto em sua história, e o que é pior, com a complacência das ruas. Não há limites para a desfaçatez e a insensibilidade por parte dos golpistas que se apossaram do governo. O Brasil está sendo dizimado, e, nesse ritmo, nada restará do país até que saiam do poder. Está mais do que na hora de a população reagir e sair às ruas para derrubar esse governo. Se demorar ainda mais tempo para fazer isso, o quadro se tornará tão dramático que deixará como única alternativa a deflagração de uma guerra civil.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Eliminado

A tentativa de jogar pelo regulamento não deu certo. O Grêmio foi muito tímido nos dois jogos pelas semifinais da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro, e está eliminado da competição. O Grêmio contentou-se em ganhar o primeiro jogo por 1 x 0, na Arena, apostando no gol qualificado. Pareceu esquecer que bastava ao Cruzeiro devolver o placar no segundo jogo para que a classificação fosse decidida nos tiros livres da marca do pênalti, um item onde o Grêmio vem tendo um aproveitamento muito baixo em 2017. O primeiro tempo, que terminou empatado em 0 x 0, deu a ideia de que o Grêmio tinha o jogo sobre controle. Porém, o Grêmio sofreu um gol em jogada de bola aérea logo no início do segundo tempo, e o time desandou em campo. A rigor, o Grêmio teve uma única chance de gol em todo o jogo, com Lucas Barrios, aos cinco minutos de partida. Foi uma chance clara de gol, que não poderia ser desperdiçada, pois praticamente daria a classificação para o Grêmio, já que obrigaria o Cruzeiro a marcar três gols. Ainda assim, Barrios não deveria ter sido substituído, pois a ausência de um centroavante de referência facilitou a tarefa defensiva do Cruzeiro. O Grêmio jogou muito abaixo da sua produção normal. Nenhum jogador se destacou. O que mais dói no torcedor é que a eliminação do Grêmio se deu para um adversário que, sabidamente, lhe é inferior em qualidade.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

A irritação da CBF

A CBF, conforme informação que andou circulando pelos meios de comunicação nas últimas horas, estaria irritada com o Grêmio pelo fato do clube utilizar times reservas em vários jogos do Campeonato Brasileiro. No entender da CBF, isso desvaloriza a competição e gera insatisfação nos patrocinadores. O diagnóstico da instituição é correto, e a opção do Grêmio em privilegiar outras disputas já foi reiteradamente criticada por mim, nesse espaço. A irritação da CBF tem a sua razão de ser, mas ela não assume a sua parcela de culpa nessa situação. Não apenas o Grêmio, mas também Botafogo, Flamengo, Palmeiras e Atlético Mineiro pouparam titulares em alguns jogos do Brasileirão por estarem envolvidos em competições paralelas. A parcela de culpa da CBF está no fato de que o Brasileirão tem o mesmo número de clubes, e, por conseguinte, de rodadas, que campeonatos como o inglês, espanhol, italiano e francês, mas é disputado num tempo menor, o que leva ao acúmulo de jogos. Enquanto nos campeonatos citados as 38 rodadas se desenrolam ao longo de nove meses, no Brasil isso se dá em seis meses e meio. A razão disso é a permanência no calendário dos campeonatos estaduais, que retardam o início do Campeonato Brasileiro. Se os estaduais, que são competições anacrônicas e sem atratividade, fossem extintos, o Brasileirão poderia começar antes, e ter a mesma duração dos principais campeonatos nacionais da Europa. Em vez de se preocupar em criar mecanismos que dificultem a colocação de reservas por parte dos clubes, como a limitação no número de jogadores inscritos, por exemplo, a CBF deveria era fazer a sua parte, retirando os estaduais do calendário e ampliando a duração do Campeonato Brasileiro que, dessa forma, poderia ter rodadas apenas nos finais de semana. Uma medida simples e eficaz, mas que a CBF não se propõe a tomar porque depende dos votos dos presidentes de federações para manter a sua atual estrutura de poder.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Um túnel sem luz

Faltando pouco mais de um ano para as eleições em que serão escolhidos os integrantes das assembleias legislativas, da Câmara dos Deputados e do Senado, bem como os governadores e o presidente do país, a indefinição do quadro político é total. Há, até, quem duvide se a eleição presidencial ocorrerá, mesmo, ou se será dada sequência ao golpe. Se as eleições, em todos os níveis previstos, vierem a acontecer, ignora-se se será dentro das atuais regras, ou com monstrengos de última hora, como o distritão, no caso da escolha dos componentes dos parlamentos. Em termos de possíveis candidaturas ao cargo máximo da disputa, não se sabe se o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, do PT, líder em todas as pesquisas de intenção de votos, conseguirá concorrer, ou terá confirmada, em novo julgamento, a sua condenação á prisão. No PSDB, não há, ainda, a definição de um candidato. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, já se movimenta nesse sentido, mas o prefeito da capital paulista, João Doria Júnior, seu afilhado político, também aspira concorrer ao cargo. Enquanto isso, o presidente golpista e ilegítimo Michel Temer prepara um parlamentarismo às pressas, para ser iniciado ainda no seu governo. Paralelamente a tudo isso, os brasileiros mergulharam numa inexplicável apatia política, e assistem passivamente ao caos que se instalou no país. Para o Brasil, diante de tudo isso, não há luz no fim do túnel, nem mesmo a de um trem em sentido contrário. Só restou um túnel sem luz.

domingo, 20 de agosto de 2017

Empate insosso

Um jogo de baixo nível técnico, com poucas emoções. Assim foi a partida Grêmio 0 x 0 Atlético Paranaense, um empate insosso, hoje, na Arena, pelo Campeonato Brasileiro. Pela quarta vez, o Grêmio escalou um time totalmente reserva no Brasileirão, e, hoje, obteve o seu primeiro ponto. Nos dois jogos em que colocou um time misto em campo, o Grêmio venceu. Fica claro, portanto, que quando escala um time só de reservas, o Grêmio inviabiliza a possibilidade de ganhar os jogos. A derrota sofrida pelo Corinthians, líder da competição, na véspera, que dava chance ao Grêmio de diminuir a diferença de pontos entre os dois clubes, torna ainda mais criticável a escolha de jogar com um time reserva. A equivocada prioridade dada para a Copa do Brasil e a Libertadores, fez com que o Grêmio esteja jogando fora um título que poderia ganhar até com certa facilidade. A preferência institucional do clube por disputas eliminatórias é um fato que desafia a razão. Parece se basear, tão somente, na busca de caminhos mais curtos para os títulos, e, por isso, teoricamente mais fáceis. Uma postura que seria compreensível num clube pequeno ou médio, mas que é inaceitável em se tratando do Grêmio.

sábado, 19 de agosto de 2017

Sequência vitoriosa

Os tempos críticos do Inter no Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão vão ficando distantes. Hoje, o Inter goleou o ABC por 3 x 0, no Frasqueirão, e atingiu uma sequência vitoriosa de cinco jogos. O Inter não enfrentou dificuldades para construir o resultado. Abriu o placar cedo, e foi beneficiado ao ter um lance de falta ser erradamente marcado como pênalti, o que redundou no segundo gol, ainda no primeiro tempo. Diante de um adversário que entrou em campo na condição de lanterna da Série B, o Inter não enfrentou resistência, e ampliou o placar no segundo tempo. Salvo alguma surpresa, daqui por diante o Inter deverá fazer uma trajetória tranquila até obter a volta para a Primeira Divisão. A distância que o separa dos demais participantes da competição, no poderio como clube e na qualidade superior do seu time, começa a se impor, como já era esperado.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Perseguição sistemática

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva está vivenciando uma perseguição sistemática das forças conservadoras da política brasileira e dos setores da imprensa que as apoiam. O objetivo dessa ação é o de impedir, a qualquer preço, que Lula volte a ser presidente. Até mesmo a sugestão de implantação do parlamentarismo voltou a ser levantada, mesmo que o povo brasileiro, por meio de plebiscitos, tenha rejeitado essa hipótese por duas vezes. Por quê Lula desperta tanto ódio? Certamente não é, como poderiam alegar alguns incautos, por ter feito um governo supostamente corrupto. Se corrupção fosse motivo para impedir alguém de assumir o cargo, Michel Temer jamais teria se tornado presidente. O que, então, torna Lula tão insuportável para a direita brasileira? Primeiramente, sua popularidade, que é a maior de um presidente brasileiro em todos os tempos. Em segundo lugar, sua política de inclusão social e diminuição das desigualdades. A elite brasileira não quer ver pessoas vindas da classe C viajando de avião, é contra as cotas para negros nas universidades, não aceita os programas sociais e habitacionais que beneficiam os mais pobres, odeia o apoio dado aos segmentos oprimidos da população, como mulheres, índios e membros da comunidade LGBT. Lula representa o combate à injustiça social crônica do Brasil. O que leva os inimigos de Lula ao desespero é que quanto mais o perseguem, mais ele cresce, e se torna potencialmente imbatível numa eleição. Dessa forma, todas as medidas políticas casuísticas possíveis e imagináveis são lançadas contra Lula, com o único propósito de impedir que concorra a presidente novamente. O que atormenta os inimigos de Lula é que o ex-presidente sairá engrandecido de qualquer situação, pois se o prenderem será visto como vítima de uma conspiração, se o matarem, se tornará um mártir, e se vier a concorrer, ganhará a eleição. Vivo ou morto, livre ou preso, Lula sempre será maior que os seus algozes.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

O coadjuvante que brilhava

O humorista Paulo Silvino, que faleceu hoje, aos 78 anos, era uma figura singular em seu ramo de atividade. Silvino nunca foi o nome principal dos programas humorísticos de que participava. No entanto, era o coadjuvante que brilhava, tinha luz própria, e por isso, como destacou Tony Góes na "Folha de São Paulo", muitas vezes roubava a cena. Silvino destacou-se pelo uso de bordões irreverentes e maliciosos como "Ai como era grande" e "Ele gueeeenta". O personagem que representou nos últimos anos, o porteiro Severino, fez grande sucesso com mais dois bordões que se tornaram muito populares, "Cara crachá, cara crachá, cara crachá", e "Isso é uma bichona". Sua expressão facial já lhe tornava naturalmente engraçado, e ele soube explorar esse recurso. Sem ter alcançado o conceito de uma estrela do humorismo, Paulo Silvino foi um comediante de grande popularidade. Vai deixar saudade.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

40 anos sem o Rei do Rock

No dia de hoje, completam-se os 40 anos da morte de Elvis Presley, o "Rei do Rock". Elvis foi o grande mito da fase inicial do rock, nos anos 50, e se constituiu em fonte de inspiração para grupos que foram responsáveis pela explosão do novo ritmo na década seguinte, cujo maior exemplo são os Beatles. Afora a música, Elvis também atuou no cinema, em filmes de qualidade duvidosa, mas de grande apelo popular. Embora sua obra, hoje, possa soar um tanto datada, Elvis teve um papel fundamental para que o rock se tornasse uma "febre" entre os jovens. Sem ele, nada do que veio depois teria acontecido. Foi ouvindo as gravações de Elvis que nomes como John Lennon ingressaram na carreira musical. Ele teve uma existência breve, pois morreu com apenas 42 anos, mas continua reverenciado por milhões de fãs no mundo inteiro, e é dos artistas mais imitados por "covers", que reproduzem seu figurino e gestual. Um mito eterno.

Vantagem

Não foi uma vitória por um placar amplo, mas o Grêmio saiu em vantagem no confronto contra o Cruzeiro, pelas semifinais da Copa do Brasil. Hoje, na Arena, o Grêmio venceu o Cruzeiro por 1 x 0, e agora jogará por um empate na segunda partida, no Mineirão. O Grêmio poderá se classificar para mais uma decisão da competição até mesmo com derrotas por um gol de diferença, a partir do 2 x 1. Uma derrota por 1 x 0 levará a disputa para os tiros livres da marca do pênalti. Como se vê, embora o placar escasso, a vantagem obtida pelo Grêmio foi bem significativa. O jogo, em si, não foi de grande qualidade, e as chances de gols foram em número reduzido. O resultado, no entanto, foi justo, pois o Grêmio teve melhor produção que o Cruzeiro. Foi uma vitória magra, suada, sem um grande desempenho coletivo, nem destaques individuais, mas o Grêmio encaminhou sua classificação. O único fato lamentável foi a lesão de Geromel, quase no final do jogo, que deverá acarretar no seu afastamento por um tempo considerável. Como o seu substituto será Bressan, cujo futebol é comprometedor, o Grêmio tende a viver momentos de muita aflição nos jogos decisivos que terá pelas competições que está disputando.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

O desmonte do país

O quadro atual do Brasil é aterrador. O desmonte do país, operado por um governo golpista e ilegítimo, se dá de forma acelerada, sem que ninguém faça nada em contrário. As reformas trabalhista e da Previdência Social feriram de morte conquistas históricas dos brasileiros. O pré-sal está sendo entregue de mão beijada para grupos estrangeiros. A Amazônia se encaminha para a mesma situação. O Aquífero Guarani, a maior reserva de água doce do mundo, também está ameaçada. Para favorecer o chamado "agronegócio", o desmatamento aumenta, reservas ambientais são reduzidas, áreas indígenas e quilombolas são atacadas. Uma reforma política apressada e sem participação popular procura criar mecanismos para favorecer a manutenção no poder da escumalha envolvida em escândalos de corrupção. Como se não bastasse tudo isso, surge a proposta de se adotar o parlamentarismo como forma de governo, opção que já foi rejeitada pelos brasileiros, pela via do plebiscito, em duas oportunidades. As eleições de 2018 também não apresentam uma boa perspectiva. Há dúvidas sobre a sua realização, pois o país está nas mãos de golpistas que não tem compromissos com a democracia. Se elas se realizarem, poderá ser num panorama assustador, com o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva impedido de concorrer e a disputa se dando entre nomes execráveis como Jair Bolsonaro e João Dória Júnior. O povo brasileiro precisa reagir imediatamente, para impedir a consumação desses desastres. Se continuar passivo diante de tantos descalabros, irá seguir como um boi a caminho do matadouro.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Os 40 anos de um gol histórico

Não é comum que um gol seja lembrado ao longo da história. O mais comum é que isso seja feito em relação a um grande título, ou a um jogo que se revista de características épicas. Porém, no dia de hoje, comemoram-se os 40 anos de um gol verdadeiramente histórico. Em 14 de agosto de 1977, foi marcado o gol mais rápido da história do Gre-Nal. O cronômetro marcava 14 segundos de jogo quando, num Olímpico lotado, o meia Iura, do Grêmio, abria o placar no Gre-Nal válido pelo segundo turno do Campeonato Gaúcho. Desde a saída de bola até Iura concluir para o gol, nenhum jogador do Inter tocou na bola. Um gol antológico, com uma sucessão de toques até o chute final. Decorridas quatro décadas, esse recorde continua sem ser ameaçado, e, provavelmente, perdurará por muito tempo, se é que um dia será batido. Um gol que aliou uma bela jogada coletiva e a rapidez com que foi marcado tinha mesmo que entrar para a história. Um gol inesquecível para quem o testemunhou, e que desperta a curiosidade dos mais jovens. O gol colocou Iura, um jogador de enorme entrega em campo, mas de técnica limitada, no rol dos grandes nomes do Gre-Nal em todos os tempos. Um feito que merece ser lembrado para sempre.

domingo, 13 de agosto de 2017

Pontos desperdiçados

O Campeonato Brasileiro se encaminha para uma conquista tranquila por parte do Corinthians. Afinal, sem jogar, por ter tido uma partida adiada, o clube paulista viu todos os seus potenciais desafiantes ao título patinarem na rodada. O principal responsável por esse quadro foi o Grêmio. Hoje, num jogo entre times reservas, perdeu por 1 x 0 para o Botafogo, no Engenhão. Embora tenha jogado sem seus titulares, foram pontos desperdiçados pelo Grêmio, pois o adversário estava na mesma condição, e mostrou-se um time que poderia ser batido. Para agravar esse quadro, o Grêmio perdeu um pênalti, inexplicavelmente cobrado por Marcelo Oliveira. O técnico do Grêmio, Renato, tem muitos méritos pelo excelente momento que vive o clube, porém erra ao prestigiar jogadores que não possuem condições técnicas de estar no grupo. Esse é o caso do já citado Marcelo Oliveira, e de Bressan, que hoje, mais uma vez, teve uma atuação tecnicamente deplorável. O principal compromisso de um técnico deve ser a preservação dos interesses do clube que o paga. Ao escalar jogadores tão deficientes, Renato põe em risco as possibilidades de êxito do Grêmio na busca de títulos. O Grêmio perdeu uma grande chance de se aproximar do Corinthians e manter o Brasileirão com a disputa do título em aberto. As escolhas de Renato deram uma grande parcela de contribuição para que isso tenha acontecido.

sábado, 12 de agosto de 2017

Sequência vitoriosa

Após um período instável no Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, o Inter conseguiu engatar uma sequência vitoriosa na competição. Hoje, ao vencer o Londrina por 3 x 1, no Beira-Rio, o Inter obteve sua quarta vitória consecutiva na Série B. Nesses jogos, o Inter marcou dez gols, e sofreu apenas um. Se antes não conseguia ingressar no grupo dos quatro primeiros colocados, o Inter se mantém em segundo lugar na classificação, com somente três pontos a menos que o líder América Mineiro. Durante o restante do segundo turno, é possível que o Inter ainda venha a ter tropeços, mas é improvável que enfrente dificuldades para voltar á Primeira Divisão. Dada a fragilidade de seus adversários, daqui por diante o Inter deverá cumprir uma contagem regressiva para seu retorno á elite do futebol brasileiro.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

As escolhas de Tite

O técnico da Seleção Brasileira, Tite, fez ontem a convocação para os jogos contra o Equador e a Colômbia pelas Eliminatórias da América do Sul para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. As escolhas de Tite não apresentaram grandes novidades, pois o técnico manteve a base de convocações anteriores. Porém, ainda que sejam poucos, há reparos a serem feitos. O goleiro Vanderlei, do Santos, que vem fazendo excelentes atuações ao longo do ano, merecia uma chance, mas não foi lembrado. O lateral direito Fagner é o único jogador presente em todas as convocações de Tite, sem que haja justificativa para isso, pois seu futebol é apenas médio. Parece ser um "homem de confiança" de Tite, pois trabalharam juntos por muito tempo no Corinthians, mas isso não é suficiente para que ele integre a Seleção. Geromel foi outro esquecimento de Tite, já que o zagueiro do Grêmio é, sem dúvida, o melhor jogador da posição no Brasil, atualmente. Por outro lado, Rodrigo Caio, zagueiro que foi chamado por Tite, vive um mau momento técnico, e seu clube, o São Paulo, está na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Parece ter sido lembrado em função de sua atitude nobre num clássico contra o Corinthians, pelo Campeonato Paulista, quando informou ao árbitro que não havia sofrido falta por parte de um adversário. A atitude de Rodrigo Caio foi exemplar, mas não serve como critério para convoca-lo. A convocação mais incompreensível, no entanto, foi do atacante Taison, do Shakhtar Donetsk. Tite trabalhou com ele no Inter, e aprecia o seu futebol, mas sua presença na Seleção é injustificável, pois não possui nível técnico para tanto. Tite faz um grande trabalho, até aqui, e resgatou o carinho do público pela Seleção. Para que continue tendo êxito, no entanto, precisa ter em mente que para uma seleção devem ser convocados sempre os melhores, em cada posição. Não há lugar para jogadores de confiança do técnico, o que deve imperar é a maior qualificação.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A saída de Espinosa

A demissão do coordenador técnico do Grêmio, Valdir Espinosa, anunciada hoje á tarde, pegou a todos de surpresa. Ao vivo, em uma emissora de rádio, Espinosa revelou o fato, chorando em vários momentos. A notícia, em meio a uma fase vitoriosa do time, pareceu ser um erro da diretoria, que poderia ter consequências negativas no ambiente do clube. Essa visão, no entanto, é exagerada. Espinosa é uma figura histórica do Grêmio, pois foi o técnico na conquista da primeira Libertadores do clube, e de seu único título mundial. Ele sempre fez questão de declarar seu amor pelo Grêmio, que o revelou, como jogador, nas categorias inferiores, e onde jogou, como titular, nos profissionais. Sua forte ligação com a torcida também é reconhecida. Porém, sua saída, ainda que pareça pouco conveniente numa fase tão positiva do time, não deve ser motivo para causar turbulências, nem ser superdimensionada. Durante a própria entrevista de Espinosa sobre o fato, ficou claro que sua função no Grêmio vinha sendo vaga e pouco prática. Ele não era um auxiliar direto do técnico Renato, com quem tem forte ligação pessoal. Trazido junto com o técnico, em 2016, pelo ex-vice-presidente de futebol Adalberto Preiss, Espinosa, desde o início, pareceu ter vindo mais como um talismã do que alguém com uma função efetiva a ser desempenhada. Seu afastamento causa comoção na torcida, certamente, mas, conforme o próprio Espinosa alertou, não deve servir de motivo para que ela se volte contra o clube. O lugar de Espinosa no panteão dos maiores nomes da história do Grêmio está garantido para sempre, não é afetado por situações eventuais. Contratações e demissões são fatos rotineiros no futebol, mesmo quando atingem figuras de grande expressão. O Grêmio há de seguir em sua trajetória positiva em 2017, ainda que a saída de Espinosa gere um natural desconforto.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Classificação

Conforme era esperado, o Grêmio se classificou para as quartas de final da Libertadores, rompendo com o tabu de ser eliminado nas oitavas de final, o que ocorreu em suas quatro participações anteriores na competição. A classificação veio com uma vitória, de virada, sobre o Godoy Cruz (ARG), hoje, na Arena. O Grêmio chegou a levar um susto, ao sair atrás no placar aos 15 minutos do primeiro tempo, num belo chute de fora da área, mas no qual o goleiro Marcelo Grohe falhou. Até aquele momento, o Grêmio não jogava bem, e o gol que sofreu foi uma consequência. O time, no entanto, mesmo sem jogar um grande futebol, teve o equilíbrio necessário para obter o empate, resultado que permaneceu até o intervalo, e virar a partida no segundo tempo. Embora a atuação, de um modo geral, tenha sido modesta, três jogadores se destacaram acima dos demais. Foram eles, pela ordem, Pedro Rocha, autor dos dois gols, Geromel e Luan. O destaque negativo foi Michel, de péssimo desempenho. Aliás, foi incompreensível que o técnico do Grêmio, Renato, não tenha substituído Michel, que acabou expulso, num justo castigo ao equívoco do treinador. A classificação do Grêmio torna-se ainda mais meritória pelo fato de que dois outros grandes clubes brasileiros, Palmeiras e Atlético Mineiro, foram eliminados da competição, mesmo jogando em casa, com o apoio maciço dos seus torcedores. O Grêmio segue vivo nas quatro competições que disputa, um fato, sem dúvida, admirável.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Parlamentarismo

Uma ideia que começa a circular no meio político, estimulada pelo presidente golpista e ilegítimo, é da adoção do parlamentarismo como sistema de governo no Brasil. Essa hipótese é um descalabro, por vários motivos. Em primeiro lugar porque o atual governo, fruto de um golpe, não tem nenhum respaldo popular para fazer proposições dessa natureza. Afora isso, em duas oportunidades, os brasileiros rejeitaram o parlamentarismo, por meio de plebiscitos. Portanto, não restam dúvidas da preferência da população brasileira pelo presidencialismo. A afirmação de que o presidencialismo não deu certo no Brasil é carregada de cinismo. O parlamentarismo, ao contrário do dizem seus defensores, não é uma forma superior de governo. Na verdade, é um sistema mais elitista, pois priva o eleitor de escolher o chefe de governo. Ao eleitor, no parlamentarismo, cabe apenas a escolha do chefe de Estado, que é, praticamente, uma figura decorativa. O argumento de que uma mesma pessoa não pode acumular as duas funções, ou seja, chefiar o governo e o Estado, cai por terra diante do fato de que no país mais poderoso do mundo, os Estados Unidos, é exatamente isso o que acontece. O que está por trás da proposta de adoção do parlamentarismo no Brasil é a vontade de uma elite golpista e sem voto de tomar o poder sem a anuência do eleitor. Parlamentarismo, jamais!

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Os 75 anos de Caetano Veloso

No dia de hoje, Caetano Veloso completa 75 anos. Um fato que merecia ser mais lembrado e comemorado. Afinal, Caetano é um artista de talento superlativo, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos. O Brasil o descobriu há exatos 50 anos, quando concorreu num festival com a música "Alegria, Alegria", que tornou-se um dos seus clássicos. No ano seguinte, foi um dos líderes do Tropicalismo, movimento que gerou grande impacto na música popular brasileira. Em sua longa carreira, Caetano nunca se acomodou. Explorou diversos ritmos. Foi do lirismo ao concretismo em suas letras. Sem medo de patrulhas, gravou composições de autores considerados "bregas" pela crítica, como Peninha e Fernando Mendes. Ao contrário de muitos compositores de sua faixa etária, Caetano segue prolífico e com uma agenda profissional intensa. Caetano é um ícone da música brasileira, como Tom Jobim, Chico Buarque de Holanda, Vinicius de Moraes, Lupicínio Rodrigues, Dorival Caymmi. Continua criativo e atuante, sem se limitar a revisitar seus sucessos. Vida longa para esse mestre da composição!

domingo, 6 de agosto de 2017

Favoritismo confirmado

Um resultado que não apresentou surpresas. Assim pode ser definida a vitória do Grêmio por 2 x 0 sobre o Atlético Mineiro, hoje, na Arena, pelo Campeonato Brasileiro. O Grêmio teve o seu favoritismo confirmado, já que jogava em casa contra um adversário que colocou em campo apenas um titular. Por sua vez, o Grêmio se apresentou com um time misto, mas reforçado pelos titulares Leonardo Moura, Arthur, Luan e Pedro Rocha. A superioridade do Grêmio se fez sentir muito cedo, e aos cinco minutos do primeiro tempo Pedro Rocha abriu o placar. Pouco depois, Fernandinho fez 2 x 0, resultado que se manteve até o final. O jogo marcou a estreia do goleiro Paulo Victor, que teve boa atuação e até defendeu um pênalti, cobrado por Robinho, aos 44 minutos do segundo tempo. Com a vitória, o Grêmio manteve a sua distância de oito pontos para o líder Corinthians, e tornou-se, na prática, o seu único concorrente efetivo pelo título do Brasileirão, já que o Santos apenas empatou e Palmeiras e Flamengo foram derrotados na rodada, ficando muito distantes na pontuação.

sábado, 5 de agosto de 2017

Vitória fácil

Por ser um jogo fora de casa, contra um adversário que chegou a liderar o Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, imaginava-se que o Inter teria dificuldades contra o Guarani, hoje, no Brinco de Ouro. Porém, isso não se confirmou. O Inter obteve uma vitória fácil, por 2 x 0, com um gol em cada tempo. O placar poderia ter sido maior. O Guarani mostrou um futebol abaixo da crítica, e não teve capacidade de reação. O resultado deixou o Inter apenas três pontos atrás do líder da Série B, o América Mineiro, que perdeu ontem para o CRB. As vitórias em sequência, e a chegada de reforços como Camilo e Leandro Damião, parecem indicar que os momentos de turbulência do Inter na competição ficaram para trás. A tendência é que, daqui por diante, a superioridade do Inter, como clube e time, sobre os demais participantes da disputa, se imponha naturalmente.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Luiz Melodia

O Brasil perdeu, hoje, um dos seus grandes compositores. A morte de Luiz Melodia, aos 66 anos, vítima de um mieloma, retira da cena musical um criador inspirado, que combinava lindas melodias com letras carregadas de lirismo. Composições como "Juventude Transviada", que talvez seja a sua música mais conhecida, "Estácio, Holly, Estácio", "Pérola Negra", "Magrelinha" e "Ébano", são demonstrações da sua excelência como autor. Dono de uma voz bela e singular, Melodia também brilhava cantando musicas de outros compositores. Foi assim com clássicos como "Codinome Beija-Flor", de Cazuza, Reinaldo Arias e Ezequiel Neves, "Rosa", de Pixinguinha, "A Voz do Morro", de Zé Kéti, e "Tereza da Praia", de Tom Jobim e Billy Blanco, que gravou num lindo dueto com Emílio Santiago. Num panorama musical brasileiro cada vez mais deteriorado, dominado pelo detestável ritmo sertanejo, Luiz Melodia era um oásis de bom gosto, e vai fazer muita falta.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

A decisão de Neymar

Neymar deixou o Barcelona e foi para o Paris Saint-Germain. A imprensa brasileira, de um modo geral, desaprovou a troca feita por Neymar. Para esses analistas, Neymar não deveria sair do Barcelona, por se tratar de um clube maior, em que atuava ao lado do melhor jogador do mundo, Messi. Para eles, Neymar estaria privilegiando o lado financeiro e cometendo um erro em termos esportivos. Discordo, totalmente desse posicionamento. Acho que a decisão de Neymar foi correta. Afora o excepcional salário que receberá, Neymar terá a chance de ser a estrela maior do time, em vez de ficar na sombra de Messi. O fato do Paris Saint-Germain não ser um gigante como o Barcelona é outro fator positivo, pois Neymar terá a chance de conduzir o clube para um outro patamar de grandeza. Se o clube francês vier a conquistar a Champions League, por exemplo, Neymar será visto como o maior responsável pelo feito. Neymar fez a escolha certa, pelo aspecto financeiro e pelo enorme desafio esportivo que assumiu. Ele estava bem no Barcelona, mas era um coadjuvante. No seu novo clube, Neymar será a maior estrela, uma condição que lhe dará a chance de disputar a condição de melhor jogador do mundo. Neymar nada tem a perder com a troca que fez, muito antes pelo contrário.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Um gol para manter a esperança

O Grêmio já entrou em campo sabendo que o Corinthians vencia o Atlético Mineiro, no Mineirão. Assim, a vitória sobre o Atlético Goianiense, hoje, no Estádio Olímpico Pedro Ludovico, era imperiosa para o Grêmio manter suas aspirações de título no Campeonato Brasileiro. Porém, a atuação do time no primeiro tempo foi sofrível. O Grêmio sucumbiu á marcação do adversário, não chutou nenhuma bola em gol, e ainda correu riscos de sair atrás no placar. No segundo tempo, entretanto, o Grêmio voltou com uma nova postura, mostrando o seu futebol de posse de bola e troca de passes, assumindo o controle do jogo. A partir daí, o Grêmio foi criando chances, mas o gol não saía. Ele só veio no final da partida, marcado por Michel, que é ex-jogador do Atlético Goianiense. Foi um gol que veio em boa hora. Um gol para manter a esperança na chance de ser campeão brasileiro. Uma vitória magra, por 1 x 0, mas que mantém as chances do Grêmio no Brasileirão.

Vergonha

A votação do relatório que pedia o arquivamento das denúncias da Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer foi uma vergonha. A exemplo do que tinha acontecido na sessão que determinou o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a Câmara dos Deputados apresentou ao país um espetáculo deprimente, com parlamentares fazendo declarações de voto que variavam do patético ao ridículo. Com enorme desfaçatez, muitos diziam que Temer deveria ser julgado, mas só após o final do seu mandato, para "não prejudicar o pais". Dessa forma, a denúncia foi arquivada, e o presidente golpista e ilegítimo continuará no seu cargo. Foi, portanto, mais do mesmo, uma repetição da indecência de um ano atrás. O Brasil afunda cada vez mais. O país vive um caos no presente, e seu futuro se prenuncia catastrófico.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Goleada

As previsões otimistas de torcedores e imprensa se confirmaram, e o Inter não apenas venceu, mas obteve uma goleada de 3 x 0 sobre o Goiás, hoje, no Beira-Rio. Com o resultado alcançado, o Inter já é o vice-líder do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, e parece estar deixando para trás os seus momentos de aflição dentro da competição. Não faltou nem mesmo o apito amigo, presença constante na história do clube, pois o Inter fez um dos gols em impedimento, e teve dois pênaltis marcados a seu favor, embora um deles tenha sido desperdiçado. Aliás, o árbitro do jogo foi o mesmo que, também no Beira-Rio, marcara quatro pênaltis a favor do Inter no jogo contra o Náutico. Seis pênaltis em favor do mesmo clube em apenas dois jogos é algo para constar no Guiness Book, o livro dos recordes. Seja como for, o Inter parece estar deixando a má fase para trás. Cabe, no entanto, destacar o enorme equilíbrio existente na disputa da Série B, pois do líder para o clube colocado em décimo lugar a diferença é de somente cinco pontos. O Inter melhorou sua campanha, mas ainda precisa fazer uma "gordura" que lhe dê tranquilidade.

O maior de todos

As pessoas possuem a tendência de criarem listas estabelecendo quem é o melhor numa atividade ou cargo. Em geral, tais listas recaem em imprecisões, quer pela subjetividade das análises ou pelo período abraçado ser demasiadamente amplo. Há exceções, no entanto, que contemplam aqueles cuja obra é tão extraordinária que não deixa qualquer dúvida sobre sua condição de ser o melhor entre todos. Esse é o caso do ex-presidente do Grêmio Hélio Dourado, que faleceu, hoje, aos 87 anos. Hélio Dourado foi o maior presidente dos 114 anos de história do Grêmio. O senso comum dos que só enxergam superficialidades, dirão que essa condição pertence a Fábio Koff, que ganhou duas Libertadores e um Mundial de Clubes. Nada disso. Koff, que por sinal foi vice-presidente de futebol no primeiro ano de mandato de Dourado, assumiu um clube saneado e recuperado em sua autoestima. Dourado, ao contrário, encontrou um clube que acabara de ver o seu maior rival igualar a sua maior série de títulos estaduais e tornar-se campeão brasileiro pela primeira vez. Afora isso, o Grêmio estava em más condições financeiras e com um estádio mal conservado e inacabado. Nada disso desanimou Dourado, que foi á luta. Em seu primeiro ano como presidente, investiu fortemente no futebol, mas não conseguiu impedir o octacampeonato estadual do Inter, que ainda conquistou o bicampeonato brasileiro. No ano seguinte, com um time mais barato, mas recheado de veteranos desassombrados, foi campeão estadual. Paralelamente, começou as obras de conclusão do Estádio Olímpico, arrecadando sacos de cimento em caravanas promovidas pelos consulados do clube espalhados por todo o Estado. Conquistou mais dois títulos estaduais, e entregou o Olímpico concluído. No último ano de sua administração, ganhou o primeiro título de campeão brasileiro da história do clube, classificando-o, também de forma inédita na existência do Grêmio, para a Libertadores. Por todos esses feitos, e outros tantos, foi homenageado com o seu nome sendo dado ao Centro de Treinamento de Eldorado do Sul, dedicado às categorias inferiores do clube, e tornou-se o terceiro patrono da história do Grêmio. Uma trajetória inigualável, que fez de Hélio Dourado o maior de todos os presidentes do Grêmio.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

A putrefação da política brasileira

Basta que se acompanhe o noticiário diariamente para que se perceba que a putrefação da política brasileira é uma realidade. A desfaçatez com que os políticos desprezam as mínimas regras de decência é capaz de fazer revirar os estômagos mais fortes. O cenário político brasileiro é, atualmente, um grande lamaçal, onde mergulham figuras patéticas e corrompidas, que exibem despudoradamente os seus malfeitos e traficâncias. O que pode ser mais repugnante do que um deputado federal que faz uma tatuagem com o nome "Temer" junto ao uma bandeira do Brasil, em apoio ao presidente golpista e ilegítimo? Talvez a declaração de outro deputado, afirmando que o povo brasileiro aceita Temer por também ser corrupto. Sim, é isso mesmo. Um deputado, cujo nome deliberadamente omito, admite que o presidente é corrupto, acusa o povo brasileiro de ter essa mesma condição e, com isso, tenta justificar seu apoio a Michel Temer. O Brasil chegou a um nível de deterioração ética que não se consegue imaginar o que possa vir pela frente. A vida exige que se siga em frente, mesmo nas piores situações. O momento brasileiro é tão aterrador, no entanto, que até a esperança, que o ditado expressa ser a última que morre, já se encontra quase desenganada.

domingo, 30 de julho de 2017

Filme repetido

A sensação que ficou para quem viu o jogo Grêmio 1 x 1 Santos, hoje, na Arena, foi a de ter assistido um filme repetido. Afinal, a exemplo do que ocorrera contra o São Paulo, no Morumbi, seis dias antes, o Grêmio jogou muito melhor que seu adversário, empilhou chances de gol, foi pouco incomodado na sua defesa, mas acabou apenas empatando. Até o placar foi o mesmo, 1 x 1. A diferença é que no Morumbi o Grêmio saiu na frente, e, hoje, foi ele que teve de buscar o empate. Com isso, mais uma vez, o Grêmio desperdiçou uma chance de diminuir sua diferença para o líder do Campeonato Brasileiro, o Corinthians, que também empatou por um gol com o Flamengo. Mesmo com sérios desfalques, o Grêmio tomou conta do jogo contra o Santos, no primeiro tempo. As chances de gol se sucediam, mas a bola não entrava. Para piorar, o Santos, na única chance que teve, marcou o seu gol. O Grêmio não se abalou, e empatou, logo a seguir. Porém, no segundo tempo, diante de um adversário que voltou inteiramente retrancado, e do cansaço resultante da intensidade com que jogara até então, o Grêmio não conseguiu o gol da vitória. A atuação do Grêmio foi muito boa, e amplamente superior a do Santos. No entanto, da mesma forma que no já citado jogo contra o São Paulo, e do 3 x 3 com o Cruzeiro, no Mineirão, o Grêmio saiu de campo com um empate, numa partida que deveria ter vencido. Assim, vai deixando pontos preciosos pelo caminho, que lhe aproximariam do Corinthians. Para agravar ainda mais a situação, Arroyo, quinze minutos depois de entrar em campo, no lugar de Pedro Rocha, sofreu uma fratura no nariz, em sua estreia no Grêmio. Resta ao torcedor o consolo de que ao Grêmio, em todos os jogos, não tem faltado bom futebol, nem empenho, o que reforça a confiança na busca dos títulos das competições que está disputando.

sábado, 29 de julho de 2017

Tragédia

A morte de um jovem de 19 anos, ao cair de um apartamento de cobertura, se constitui numa tragédia. Foi o que aconteceu com João Pedro Braga, filho do técnico do Fluminense, Abel Braga. Há muita reserva da família e da imprensa ao tratarem do fato, que, em princípio, está sendo noticiado como tendo sido um acidente. Existem fortes indícios, no entanto, de que o jovem tenha se jogado da cobertura. A morte de um filho, por inverter a lógica da existência, talvez seja a dor mais brutal que um ser humano possa sofrer. Se ela for resultado da decisão de tirar a própria vida, o fato torna-se ainda mais cruel. Acontecimentos como esse sempre causam impacto. Ao envolver pessoas conhecidas, como é o caso de Abel Braga, geram uma repercussão ainda maior. As pessoas ficam chocadas diante da morte de alguém tão jovem, com uma condição econômica privilegiada. Pelo senso comum, uma pessoa nessas condições tem tudo o que é necessário para uma vida exitosa. Na prática, nem sempre é assim. Tenha sido acidental ou não, a morte de João Pedro Braga é um fato trágico, que irá abalar violentamente a sua família. Será preciso muita força para seguir adiante. Uma corrente de solidariedade, por certo, será formada em torno da família, para que enfrente essa experiência tão amarga.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

A nova música de Chico Buarque de Holanda

Um assunto "bombou", hoje, nas redes sociais, e justificadamente. A nova música de Chico Buarque de Holanda, "Tua Cantiga", parceria com Cristóvão Bastos, foi lançada oficialmente e disponibilizada nas plataformas digitais num "single". A composição faz parte, também, do novo disco de Chico, que será lançado em agosto. A repercussão em torno do fato é mais do que justa. Chico estava há seis anos sem gravar, e é um ícone da música popular brasileira. Nos últimos anos, dedicou-se intensamente ao ofício de escritor, deixando a música em segundo plano. Porém, a expectativa de que venha a criar novas composições é permanente. "Tua Cantiga" traz, em sua letra, o lirismo característico de Chico, um verdadeiro ourives das palavras. Ela desperta o interesse pelo conteúdo integral do novo disco. Em meio a tanto fato ruim no país, um material inédito de Chico depois de um período tão longo, é uma notícia das mais estimulantes.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Futebol espetáculo

Desde o jogo contra o São Paulo, cresceram os elogios ao futebol praticado pelo Grêmio. Técnicos e jogadores adversários reconhecem o Grêmio como o time que joga o melhor futebol do Brasil, atualmente. Hoje, o Grêmio venceu o Atlético Paranaense por 3 x 2, na Arena da Baixada, pela Copa do Brasil, e fez jus a todos os elogios. O Grêmio entrou em campo sem alguns titulares, que foram preservados. Mesmo assim, e tendo saído atrás no placar, ganhou o jogo com tranquilidade, mostrando um futebol envolvente, e confirmou sua classificação para a próxima fase da competição. O momento que vive o Grêmio é privilegiado. O clube está vivo em quatro competições. Pode-se definir a qualidade do jogo que o seu time vem praticando de futebol espetáculo, sem exagero. Não se sabe quanto tempo esse encantamento vai durar, nem se ele irá resultar em algum título, mas ninguém está jogando tão bonito como o Grêmio.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Definições

A Copa do Brasil teve, hoje, uma noite de definições. Foram conhecidos três dos quatro semifinalistas da competição. Um dos confrontos, portanto, já está definido. Será Flamengo x Botafogo. O Flamengo obteve sua classificação mesmo perdendo por 4 x 2 para o Santos, na Vila Belmiro, devido ao saldo qualificado, pois venceu o primeiro jogo por 2 x 0, na Ilha do Urubu. O Botafogo, que havia perdido para o Atlético Mineiro por 1 x 0, no Independência, goleou o mesmo adversário por 3 x 0, no Engenhão, e também se classificou. Outro semifinalista definido foi o Cruzeiro, que empatou em 1 x 1 com o Palmeiras, no Mineirão. O primeiro jogo, no Allianz Parque, teve o resultado de 3 x 3. O adversário do Cruzeiro deverá ser o Grêmio, que goleou o Atlético Paranaense por 4 x 0, na Arena, e ficou com ampla vantagem. O segundo jogo será amanhã, na Arena da Baixada. Caso o confronto entre Grêmio e Cruzeiro se confirme, será a repetição de uma das semifinais da Copa do Brasil de 2016. Levando-se em conta o futebol que vem sendo exibido pelos quatro clubes, a decisão de título mais provável parece ser Grêmio x Botafogo, mas, em disputas de jogos eliminatórios, tudo é possível.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Tranquilidade temporária

Um gol de alívio, no final do primeiro tempo, outro num bate e rebate que parecia ser interminável, até que a bola, finalmente, entrou. Foi dessa forma que o Inter venceu o Oeste por 2 x 0, hoje á noite, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. Mais do que nunca, o Inter precisava vencer, e conseguiu. O resultado colocou o Inter, momentaneamente, na zona de classificação para a Primeira Divisão, mas isso poderá ser alterado com os jogos do complemento da rodada, na sexta-feira e no sábado. Não importa. O Inter, com a vitória de hoje, garantiu uma tranquilidade temporária. Pelo menos por alguns dias, o ambiente ficará menos tenso. Afora isso, o próximo jogo do Inter será, novamente, em casa, e os novos reforços, Camilo e Leandro Damião, já poderão estrear. O Inter ainda precisa melhorar muito o seu rendimento na série B, mas, ao vencer o Oeste, já diminuiu a turbulência que tem sido a tônica do clube nos últimos dias.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Resultado frustrante

Uma boa atuação nem sempre resulta em vitória. O Grêmio jogou muito bem, hoje, contra o São Paulo, no Morumbi. Porém, o jogo terminou empatado em 1 x 1. Para o Grêmio, por tudo o que mostrou em campo, foi um resultado frustrante. Afora isso, como o Corinthians, líder do Campeonato Brasileiro, venceu o Fluminense, ontem, sua vantagem sobre o Grêmio, que é o segundo colocado, voltou a se ampliar, de seis para oito pontos. O Grêmio poderia ter marcado outros gols, mas esbarrou em grandes defesas do goleiro Renan Ribeiro. O São Paulo marcou seu gol na única oportunidade que teve. Esses pontos poderão fazer falta ao Grêmio, pois o adversário, embora de grande tradição, é o antepenúltimo colocado do Brasileirão. No entanto, não se pode deixar de reconhecer que, mesmo sem vencer, o Grêmio mostrou muito bom futebol, e isso dá confiança para continuar buscando os títulos das competições que está disputando.

domingo, 23 de julho de 2017

Waldir Peres

Waldir Peres, o goleiro da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982, que faleceu hoje, aos 66 anos, é uma dessas pessoas que são vítimas de apreciações históricas equivocadas. Waldir Peres foi titular da Seleção na Copa de 82, mas também esteve presente nas edições de 74 e 78 como reserva. Nenhum jogador é convocado para três Copas do Mundo consecutivas se não for muito qualificado, e Waldir Peres era. Ocorre que, em 82, o melhor goleiro do Brasil era, sem dúvida, Leão, então no Grêmio, que não foi convocado pelo técnico da Seleção, Telê Santana, contrariando o desejo da maioria da opinião pública. Afora isso, Waldir Peres tomou um "frango" pelo meio das pernas na estreia na Copa, contra a extinta União Soviética. Foi o que bastou para que ele fosse qualificado como uma peça destoante em meio a grandes nomes como Zico, Toninho Cerezzo, Júnior, Falcão, Leandro, entre outros. Esse é um conceito falso. Waldir Peres não era um "frangueiro". Pelo contrário, era um grande goleiro, que fez mais de 600 jogos com a camisa do São Paulo. Como ele mesmo lembrou, certa vez, em uma entrevista, a derrota para a Itália, no Sarrià, foi a sua única em 39 jogos pela Seleção. Para quem, como eu, teve a oportunidade de acompanhar a sua carreira, fica o reconhecimento a um grande goleiro, que teve uma bela carreira, e um comportamento profissional exemplar. Waldir Peres fez a sua parte como jogador. Se não era o melhor da posição no país em 82, tampouco deixava de ser um goleiro em nível de Seleção. Waldir Peres se vai deixando uma trajetória exitosa, sem nada a dever.

sábado, 22 de julho de 2017

Sempre pode ser pior

Para o Inter, atualmente, nada parece ser ruim o suficiente. Sempre pode ser pior. A atuação do Inter, na derrota de 2 x 1 para o Vila Nova, hoje á tarde, no Serra Dourada, foi abaixo da crítica. O Inter é um imenso nada. Não se vê nenhum brilho individual, nem trabalho coletivo. Em vez de evoluir, o time parece regredir a cada jogo. Não bastasse isso, no aspecto anímico, também não se percebe a devida mobilização. Para sorte do Inter, o nível técnico baixo do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão faz com que os clubes permaneçam com pouca distância de pontos uns dos outros. Dessa forma, mesmo com vários tropeços, o Inter mantém pouca distância dos primeiros colocados. No entanto, a situação do Inter é lastimável. Em 16 rodadas da Série B, o Inter só esteve na zona de classificação para a Primeira Divisão em quatro delas. A diretoria garante que o técnico Guto Ferreira continuará no cargo, o que é um erro. Guto não deu nenhuma contribuição perceptível para o time. Sua demissão está sendo, inexplicavelmente, adiada. A troca de técnico, por si só, não resolverá os problemas do Inter, mas algo precisa ser feito. Se seguir com o desempenho atual, o Inter corre o sério risco de não subir para a Série A, o que seria vexatório.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

A punhalada dos golpistas

O Brasil vive dias terríveis, como consequência direta de um golpe contra uma presidente legitimamente eleita. O sórdido expediente contou, como costuma ocorrer nesses casos, com o patrocínio da plutocracia e o apoio entusiasmado da classe média reacionária. Para esses dois segmentos, era preciso, a qualquer preço, retirar o PT do poder. Afinal, argumentavam, o PT era a fonte de todos os males do país. Como se sabe, plutocratas detestam aumento de impostos, o mesmo acontecendo com a classe média direitista. Pois não é que foi justamente essa surrada e desastrosa solução que o governo do presidente golpista e ilegítimo Michel Temer adotou para tentar cumprir a meta fiscal de 2017? Com o aumento da alíquota de PIS/Cofins dos combustíveis, divulgado ontem, Temer e seus asseclas pretendem arrecadar R$ 11 bilhões. A razão para isso é que a arrecadação neste ano tem ficado abaixo da esperada pelos golpistas, que previam que a economia brasileira cresceria em um ritmo mais acelerado, o que não ocorreu. O efeito da medida no bolso da população foi imediato, pois o preço do litro da gasolina já superou o valor de R$ 4, o que levará a um efeito cascata de aumentos sobre vários produtos. A punhalada dos golpistas atinge em cheio o discurso dos seus apoiadores. Os empresários do pato amarelo e a classe média que bate panelas vociferam, permanentemente, contra aumento de impostos. Pois foram "brindados" com um pelos bandoleiros que ajudaram a colocar no poder. A traição dos golpistas aos seus defensores seria até cômica, se não fosse trágica para o país como um todo. A amarga conta do golpe continua a ser cobrada de todos os brasileiros, e ainda está longe de chegar ao fim.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

A queda de Roger Machado

O futebol brasileiro viu, nos últimos anos, o surgimento de técnicos emergentes, num processo natural e necessário diante da decadência dos medalhões. O problema é que os novos técnicos ainda não mostraram solidez em seus trabalhos. A queda de Roger Machado no Atlético Mineiro é um exemplo disso. Roger foi, dentre esses técnicos, o mais bafejado pela imprensa, pelo período em que treinou o Grêmio. Ocorre que o desempenho de Roger no Grêmio não foi mais do que razoável, e acabou superestimado por uma parte da imprensa. Observando com atenção o seu trabalho no Grêmio, percebia-se um grande potencial, mas um profissional ainda carente de maturação. No Atlético Mineiro, Roger comprovou essa impressão. Ele é estudioso, tem ótima base teórica aliada á sua experiência como jogador. Sua proposta de jogo se baseia num futebol envolvente, com muita troca de passes. Porém, Roger não tem variações em sua proposta tática, e tem visíveis dificuldades para fazer a "leitura do jogo" durante o seu transcorrer. Roger tem condições de se tornar um grande técnico, mas, a exemplo dos outros emergentes, ainda não alcançou uma afirmação.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Paulo Sant'Ana

O Rio Grande do Sul perdeu, na noite de hoje, o maior nome do seu jornalismo, em todos os tempos. A morte de Paulo Sant'Ana, aos 78 anos, não colheu ninguém de surpresa, pois era sabido que o seu estado de saúde era muito delicado. Porém, isso não diminui o impacto da perda. Muito antes que o termo fosse cunhado, Sant'Ana foi um jornalista multimídia. Atuou com igual brilho no rádio, jornal e televisão. Nenhum outro jornalista, em tempo algum, foi tão popular no Rio Grande do Sul. No início de sua carreira, se dedicou á crônica esportiva, e alcançou enorme sucesso como um defensor apaixonado do Grêmio. Mais tarde, tornou-se um cronista de assuntos gerais, novamente com êxito retumbante. Sant'Ana será velado na Arena do Grêmio. Não poderia ser de outra forma. Amanhã será um dia para Porto Alegre reverenciar um dos seus nomes mais representativos. A cidade ficou mais pobre na sua paisagem humana. O jornalismo perdeu um gênio. Uma notável trajetória, que deixa uma enorme saudade.

No rumo da liderança

Em apenas duas rodadas do Campeonato Brasileiro, o Corinthians, líder da competição, viu sua diferença para o segundo colocado, o Grêmio, ser reduzida de dez para seis pontos. Após empatar, por 2 x 2, sábado, com o Atlético Paranaense, em pleno Itaquerão, o Corinthians voltou a tropeçar, hoje, ao não sair do 0 x 0 com o Avaí, na Ressacada. O Grêmio tirou proveito da situação, pois venceu seus dois últimos jogos. No domingo, derrotou a Ponte Preta, de virada, por 3 x 1, na Arena. Hoje, repetiu o placar contra o Vitória, no Barradão. O número de vitórias do Grêmio chegou a dez, apenas uma a menos que o Corinthians. Com isso, o Grêmio vai no rumo da liderança do Brasileirão, que já esteve muito perto, e depois se distanciou. Sua vantagem sobre o terceiro colocado, o Santos, se manteve, e aumentou em relação aos demais clubes da parte de cima da classificação. No jogo contra o Vitória, o grande destaque foi Fernandinho, que marcou o primeiro gol, de falta, e criou a jogada do segundo. Embora com a ausência de três titulares, Geromel, Michel e Luan, o Grêmio venceu ao natural. Mesmo levando um gol no início do segundo tempo, quando já ganhava por 2 x 0, o Grêmio não permitiu uma reação do Vitória, pois marcou o terceiro, logo depois. O que parecia um campeonato com um ganhador antecipado, voltou a ser uma disputa em aberto.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Apito amigo

Se há um fato recorrente na história do Inter é o auxilio do apito amigo. Mesmo quando montou grandes times, como o da década de 70, com nomes como Manga, Figueroa, Falcão e Paulo César Carpeggiani, o Inter não abriu mão dos "erros humanos" dos árbitros. Ninguém melhor do que o torcedor do Grêmio sabe o que foram, na época, as arbitragens do chamado "trio ABC", formado por Agomar Martins, José Luiz Barreto e José Cavalheiro de Morais, que decidiram vários jogos em favor do Inter com seus "erros". Anos mais tarde, Carlos Simon foi um dos principais sucessores do trio em benefícios do apito para o Inter. Hoje, em mais uma atuação deplorável, o Inter venceu o modesto Luverdense por 1 x 0, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, com um gol nos acréscimos, fruto de uma sinalização confusa de um bandeirinha. Não vem ao caso saber se o bandeirinha estava certo ou errado ao marcar impedimento no lance. O fato é que, ao levantar a bandeira, ele induziu a defesa do Luverdense a parar no lance, o que facilitou para William Potker marcar o gol. Dizer que o árbitro nada havia apitado, e que, portanto, os jogadores do Luverdense deveriam prosseguir normalmente no lance, é um argumento cínico. O Luverdense sofreu um esbulho. A arbitragem brasileira continua vergonhosa, como sempre. Porém, nem mesmo com a ação prestimosa da arbitragem o Inter conseguiu entrar na zona de classificação para a Primeira Divisão. Está em quinto lugar e, se continuar jogando um futebol tão fraco, não haverá arbitragem facciosa capaz de fazer com que venha a subir.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Exploração demagógica

O assunto da injúria racial ao goleiro Aranha, acontecida num jogo entre Grêmio e Santos, na Arena, pela Copa do Brasil de 2014, está se prestando a uma exploração demagógica. Como Aranha voltou a jogar na Arena, ontem, dessa vez pela Ponte Preta, o fato foi reativado, o que não deveria ter ocorrido. Está claro que Aranha não quer deixar o assunto morrer, e a cada vez que vem jogar contra o Grêmio, na Arena, aproveita para se colocar na condição de vítima de uma perseguição de cunho racista. Parte da imprensa, ávida por fatos que possam proporcionar manchetes, embarca na proposta de Aranha, e gera repercussão em cima de uma situação que já deveria ter sido superada. O "desabafo" de Aranha, após o jogo de ontem, dizendo que não olha para as arquibancadas porque as pessoas ali presentes estão carregadas de ódio, e sua generalização de que "no sul do país é assim", foi uma ode ao vitimismo. O fato de 2014 foi julgado e produziu uma condenação, injusta, por sinal, ao Grêmio. O clube assimilou a injustiça sofrida, e seguiu com sua vida. Aranha deveria fazer o mesmo, e não reacender as discussões em torno do ocorrido há três anos.

domingo, 16 de julho de 2017

Diferença diminuída

Depois da vitória sobre o Flamengo, o técnico do Grêmio, Renato, disse que o Corinthians não conseguiria manter sua campanha de quase 90% de aproveitamento, e que iria "despencar". Hoje, Renato retificou sua declaração, trocando despencar por "tropeçar". Seja como for, Renato acertou sua previsão. Ontem, o Corinthians empatou em 2 x 2 com o Atlético Paranaense, em pleno Itaquerão. O Grêmio, hoje, venceu, de virada, a Ponte Preta  por 3 x 1, na Arena. Com isso, a vantagem do Corinthians na liderança do Campeonato Brasileiro se reduziu. A diferença diminuída, mesmo que permaneça expressiva, dá um novo alento á competição. Agora, a diferença, que era de dez pontos, em relação ao Grêmio, foi para oito. Outro ponto positivo para o Grêmio foi que Santos e Flamengo também empataram na rodada, ficando mais afastados dele em pontos. A situação do Grêmio poderia ser bem melhor, é claro, se ele não tivesse escalado reservas contra Sport e Palmeiras, e ganhado seus jogos em casa contra Corinthians e Avaí, mas a redução da vantagem do líder da competição traz um novo entusiasmo para o clube e sua torcida. Em relação ao jogo, em si, o Grêmio não teve uma grande atuação, e saiu perdendo para a Ponte Preta, assustando o seu torcedor. No entanto, teve força e atitude para obter a virada. Lucas Barrios, com dois gols, um dos quais de pênalti, pondo fim ao trauma das cobranças erradas, foi o grande destaque do jogo. O Grêmio sairá agora para dois jogos seguidos fora de casa, contra Vitória e São Paulo, clubes que se encontram na zona de rebaixamento. Se tem, verdadeiramente, pretensões dentro da disputa, o Grêmio não pode desperdiçar pontos nesses jogos.

sábado, 15 de julho de 2017

Um filme de terror

Após a vitória sobre o Ceará, fora de casa, o Inter, no entender de boa parte da crônica esportiva, tinha encontrado o seu time, e sua tendência seria crescer ainda mais. Como seu próximo jogo aconteceria, novamente, na condição de visitante, em que obtivera quatro de suas vitórias no Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, o otimismo se fez sentir nos prognósticos. O Inter, previa-se, entraria no grupo dos quatro primeiros colocados, e dele não mais sairia. Nada ocorreu de acordo com o esperado. Os torcedores do Inter que assistiram ao jogo de hoje contra o CRB, no Rei Pelé, viram um filme de terror. O Inter perdeu o jogo por 2 x 0, não teve uma única chance de gol, e chegou a ouvir gritos de "olé" da torcida adversária. O resultado fez o Inter cair para o sétimo lugar na classificação. Pior que isso, das catorze rodadas da Série B disputadas até agora, o Inter só figurou na zona de classificação para a Primeira Divisão em quatro delas. A atuação do Inter foi constrangedora. Contra um adversário muito limitado, o Inter não teve nenhuma harmonia coletiva, nem destaques individuais. Em momento algum do jogo o Inter mostrou obstinação em busca do resultado positivo. Se as atuações contra Criciúma e Ceará davam indícios de um crescimento técnico do Inter, a de hoje foi de deixar o torcedor desalentado. O que parecia impossível, o Inter não subir para a Primeira Divisão, já é algo para ser, no mínimo, cogitado.