quarta-feira, 26 de julho de 2017

Definições

A Copa do Brasil teve, hoje, uma noite de definições. Foram conhecidos três dos quatro semifinalistas da competição. Um dos confrontos, portanto, já está definido. Será Flamengo x Botafogo. O Flamengo obteve sua classificação mesmo perdendo por 4 x 2 para o Santos, na Vila Belmiro, devido ao saldo qualificado, pois venceu o primeiro jogo por 2 x 0, na Ilha do Urubu. O Botafogo, que havia perdido para o Atlético Mineiro por 1 x 0, no Independência, goleou o mesmo adversário por 3 x 0, no Engenhão, e também se classificou. Outro semifinalista definido foi o Cruzeiro, que empatou em 1 x 1 com o Palmeiras, no Mineirão. O primeiro jogo, no Allianz Parque, teve o resultado de 3 x 3. O adversário do Cruzeiro deverá ser o Grêmio, que goleou o Atlético Paranaense por 4 x 0, na Arena, e ficou com ampla vantagem. O segundo jogo será amanhã, na Arena da Baixada. Caso o confronto entre Grêmio e Cruzeiro se confirme, será a repetição de uma das semifinais da Copa do Brasil de 2016. Levando-se em conta o futebol que vem sendo exibido pelos quatro clubes, a decisão de título mais provável parece ser Grêmio x Botafogo, mas, em disputas de jogos eliminatórios, tudo é possível.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Tranquilidade temporária

Um gol de alívio, no final do primeiro tempo, outro num bate e rebate que parecia ser interminável, até que a bola, finalmente, entrou. Foi dessa forma que o Inter venceu o Oeste por 2 x 0, hoje á noite, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão. Mais do que nunca, o Inter precisava vencer, e conseguiu. O resultado colocou o Inter, momentaneamente, na zona de classificação para a Primeira Divisão, mas isso poderá ser alterado com os jogos do complemento da rodada, na sexta-feira e no sábado. Não importa. O Inter, com a vitória de hoje, garantiu uma tranquilidade temporária. Pelo menos por alguns dias, o ambiente ficará menos tenso. Afora isso, o próximo jogo do Inter será, novamente, em casa, e os novos reforços, Camilo e Leandro Damião, já poderão estrear. O Inter ainda precisa melhorar muito o seu rendimento na série B, mas, ao vencer o Oeste, já diminuiu a turbulência que tem sido a tônica do clube nos últimos dias.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Resultado frustrante

Uma boa atuação nem sempre resulta em vitória. O Grêmio jogou muito bem, hoje, contra o São Paulo, no Morumbi. Porém, o jogo terminou empatado em 1 x 1. Para o Grêmio, por tudo o que mostrou em campo, foi um resultado frustrante. Afora isso, como o Corinthians, líder do Campeonato Brasileiro, venceu o Fluminense, ontem, sua vantagem sobre o Grêmio, que é o segundo colocado, voltou a se ampliar, de seis para oito pontos. O Grêmio poderia ter marcado outros gols, mas esbarrou em grandes defesas do goleiro Renan Ribeiro. O São Paulo marcou seu gol na única oportunidade que teve. Esses pontos poderão fazer falta ao Grêmio, pois o adversário, embora de grande tradição, é o antepenúltimo colocado do Brasileirão. No entanto, não se pode deixar de reconhecer que, mesmo sem vencer, o Grêmio mostrou muito bom futebol, e isso dá confiança para continuar buscando os títulos das competições que está disputando.

domingo, 23 de julho de 2017

Waldir Peres

Waldir Peres, o goleiro da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982, que faleceu hoje, aos 66 anos, é uma dessas pessoas que são vítimas de apreciações históricas equivocadas. Waldir Peres foi titular da Seleção na Copa de 82, mas também esteve presente nas edições de 74 e 78 como reserva. Nenhum jogador é convocado para três Copas do Mundo consecutivas se não for muito qualificado, e Waldir Peres era. Ocorre que, em 82, o melhor goleiro do Brasil era, sem dúvida, Leão, então no Grêmio, que não foi convocado pelo técnico da Seleção, Telê Santana, contrariando o desejo da maioria da opinião pública. Afora isso, Waldir Peres tomou um "frango" pelo meio das pernas na estreia na Copa, contra a extinta União Soviética. Foi o que bastou para que ele fosse qualificado como uma peça destoante em meio a grandes nomes como Zico, Toninho Cerezzo, Júnior, Falcão, Leandro, entre outros. Esse é um conceito falso. Waldir Peres não era um "frangueiro". Pelo contrário, era um grande goleiro, que fez mais de 600 jogos com a camisa do São Paulo. Como ele mesmo lembrou, certa vez, em uma entrevista, a derrota para a Itália, no Sarrià, foi a sua única em 39 jogos pela Seleção. Para quem, como eu, teve a oportunidade de acompanhar a sua carreira, fica o reconhecimento a um grande goleiro, que teve uma bela carreira, e um comportamento profissional exemplar. Waldir Peres fez a sua parte como jogador. Se não era o melhor da posição no país em 82, tampouco deixava de ser um goleiro em nível de Seleção. Waldir Peres se vai deixando uma trajetória exitosa, sem nada a dever.

sábado, 22 de julho de 2017

Sempre pode ser pior

Para o Inter, atualmente, nada parece ser ruim o suficiente. Sempre pode ser pior. A atuação do Inter, na derrota de 2 x 1 para o Vila Nova, hoje á tarde, no Serra Dourada, foi abaixo da crítica. O Inter é um imenso nada. Não se vê nenhum brilho individual, nem trabalho coletivo. Em vez de evoluir, o time parece regredir a cada jogo. Não bastasse isso, no aspecto anímico, também não se percebe a devida mobilização. Para sorte do Inter, o nível técnico baixo do Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão faz com que os clubes permaneçam com pouca distância de pontos uns dos outros. Dessa forma, mesmo com vários tropeços, o Inter mantém pouca distância dos primeiros colocados. No entanto, a situação do Inter é lastimável. Em 16 rodadas da Série B, o Inter só esteve na zona de classificação para a Primeira Divisão em quatro delas. A diretoria garante que o técnico Guto Ferreira continuará no cargo, o que é um erro. Guto não deu nenhuma contribuição perceptível para o time. Sua demissão está sendo, inexplicavelmente, adiada. A troca de técnico, por si só, não resolverá os problemas do Inter, mas algo precisa ser feito. Se seguir com o desempenho atual, o Inter corre o sério risco de não subir para a Série A, o que seria vexatório.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

A punhalada dos golpistas

O Brasil vive dias terríveis, como consequência direta de um golpe contra uma presidente legitimamente eleita. O sórdido expediente contou, como costuma ocorrer nesses casos, com o patrocínio da plutocracia e o apoio entusiasmado da classe média reacionária. Para esses dois segmentos, era preciso, a qualquer preço, retirar o PT do poder. Afinal, argumentavam, o PT era a fonte de todos os males do país. Como se sabe, plutocratas detestam aumento de impostos, o mesmo acontecendo com a classe média direitista. Pois não é que foi justamente essa surrada e desastrosa solução que o governo do presidente golpista e ilegítimo Michel Temer adotou para tentar cumprir a meta fiscal de 2017? Com o aumento da alíquota de PIS/Cofins dos combustíveis, divulgado ontem, Temer e seus asseclas pretendem arrecadar R$ 11 bilhões. A razão para isso é que a arrecadação neste ano tem ficado abaixo da esperada pelos golpistas, que previam que a economia brasileira cresceria em um ritmo mais acelerado, o que não ocorreu. O efeito da medida no bolso da população foi imediato, pois o preço do litro da gasolina já superou o valor de R$ 4, o que levará a um efeito cascata de aumentos sobre vários produtos. A punhalada dos golpistas atinge em cheio o discurso dos seus apoiadores. Os empresários do pato amarelo e a classe média que bate panelas vociferam, permanentemente, contra aumento de impostos. Pois foram "brindados" com um pelos bandoleiros que ajudaram a colocar no poder. A traição dos golpistas aos seus defensores seria até cômica, se não fosse trágica para o país como um todo. A amarga conta do golpe continua a ser cobrada de todos os brasileiros, e ainda está longe de chegar ao fim.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

A queda de Roger Machado

O futebol brasileiro viu, nos últimos anos, o surgimento de técnicos emergentes, num processo natural e necessário diante da decadência dos medalhões. O problema é que os novos técnicos ainda não mostraram solidez em seus trabalhos. A queda de Roger Machado no Atlético Mineiro é um exemplo disso. Roger foi, dentre esses técnicos, o mais bafejado pela imprensa, pelo período em que treinou o Grêmio. Ocorre que o desempenho de Roger no Grêmio não foi mais do que razoável, e acabou superestimado por uma parte da imprensa. Observando com atenção o seu trabalho no Grêmio, percebia-se um grande potencial, mas um profissional ainda carente de maturação. No Atlético Mineiro, Roger comprovou essa impressão. Ele é estudioso, tem ótima base teórica aliada á sua experiência como jogador. Sua proposta de jogo se baseia num futebol envolvente, com muita troca de passes. Porém, Roger não tem variações em sua proposta tática, e tem visíveis dificuldades para fazer a "leitura do jogo" durante o seu transcorrer. Roger tem condições de se tornar um grande técnico, mas, a exemplo dos outros emergentes, ainda não alcançou uma afirmação.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Paulo Sant'Ana

O Rio Grande do Sul perdeu, na noite de hoje, o maior nome do seu jornalismo, em todos os tempos. A morte de Paulo Sant'Ana, aos 78 anos, não colheu ninguém de surpresa, pois era sabido que o seu estado de saúde era muito delicado. Porém, isso não diminui o impacto da perda. Muito antes que o termo fosse cunhado, Sant'Ana foi um jornalista multimídia. Atuou com igual brilho no rádio, jornal e televisão. Nenhum outro jornalista, em tempo algum, foi tão popular no Rio Grande do Sul. No início de sua carreira, se dedicou á crônica esportiva, e alcançou enorme sucesso como um defensor apaixonado do Grêmio. Mais tarde, tornou-se um cronista de assuntos gerais, novamente com êxito retumbante. Sant'Ana será velado na Arena do Grêmio. Não poderia ser de outra forma. Amanhã será um dia para Porto Alegre reverenciar um dos seus nomes mais representativos. A cidade ficou mais pobre na sua paisagem humana. O jornalismo perdeu um gênio. Uma notável trajetória, que deixa uma enorme saudade.

No rumo da liderança

Em apenas duas rodadas do Campeonato Brasileiro, o Corinthians, líder da competição, viu sua diferença para o segundo colocado, o Grêmio, ser reduzida de dez para seis pontos. Após empatar, por 2 x 2, sábado, com o Atlético Paranaense, em pleno Itaquerão, o Corinthians voltou a tropeçar, hoje, ao não sair do 0 x 0 com o Avaí, na Ressacada. O Grêmio tirou proveito da situação, pois venceu seus dois últimos jogos. No domingo, derrotou a Ponte Preta, de virada, por 3 x 1, na Arena. Hoje, repetiu o placar contra o Vitória, no Barradão. O número de vitórias do Grêmio chegou a dez, apenas uma a menos que o Corinthians. Com isso, o Grêmio vai no rumo da liderança do Brasileirão, que já esteve muito perto, e depois se distanciou. Sua vantagem sobre o terceiro colocado, o Santos, se manteve, e aumentou em relação aos demais clubes da parte de cima da classificação. No jogo contra o Vitória, o grande destaque foi Fernandinho, que marcou o primeiro gol, de falta, e criou a jogada do segundo. Embora com a ausência de três titulares, Geromel, Michel e Luan, o Grêmio venceu ao natural. Mesmo levando um gol no início do segundo tempo, quando já ganhava por 2 x 0, o Grêmio não permitiu uma reação do Vitória, pois marcou o terceiro, logo depois. O que parecia um campeonato com um ganhador antecipado, voltou a ser uma disputa em aberto.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Apito amigo

Se há um fato recorrente na história do Inter é o auxilio do apito amigo. Mesmo quando montou grandes times, como o da década de 70, com nomes como Manga, Figueroa, Falcão e Paulo César Carpeggiani, o Inter não abriu mão dos "erros humanos" dos árbitros. Ninguém melhor do que o torcedor do Grêmio sabe o que foram, na época, as arbitragens do chamado "trio ABC", formado por Agomar Martins, José Luiz Barreto e José Cavalheiro de Morais, que decidiram vários jogos em favor do Inter com seus "erros". Anos mais tarde, Carlos Simon foi um dos principais sucessores do trio em benefícios do apito para o Inter. Hoje, em mais uma atuação deplorável, o Inter venceu o modesto Luverdense por 1 x 0, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, com um gol nos acréscimos, fruto de uma sinalização confusa de um bandeirinha. Não vem ao caso saber se o bandeirinha estava certo ou errado ao marcar impedimento no lance. O fato é que, ao levantar a bandeira, ele induziu a defesa do Luverdense a parar no lance, o que facilitou para William Potker marcar o gol. Dizer que o árbitro nada havia apitado, e que, portanto, os jogadores do Luverdense deveriam prosseguir normalmente no lance, é um argumento cínico. O Luverdense sofreu um esbulho. A arbitragem brasileira continua vergonhosa, como sempre. Porém, nem mesmo com a ação prestimosa da arbitragem o Inter conseguiu entrar na zona de classificação para a Primeira Divisão. Está em quinto lugar e, se continuar jogando um futebol tão fraco, não haverá arbitragem facciosa capaz de fazer com que venha a subir.